Bia e Suelen: pequenos erros, grandes consequências

Bia e Suelen: pequenos erros, grandes consequências

Quem nunca errou? De uma maneira ou outra, todo mundo tem uma história de uma escorregada que já cometeu. A diferença está no tamanho das consequências: dependendo do caso, o estrago pode ser gigante.

É o caso da central Bia e da líbero Suelen. Chamadas pelo técnico José Roberto Guimarães para os treinamentos da seleção brasileira visando os Jogos Pan-americanos e o Grand Prix, elas alegam que se esqueceram de assinar um papel solicitado pelo COB (Comitê Olímpico do Brasil) no qual se diriam aptas a participar da compeitição continental. Resultado: estão fora do time nacional.

Mais notícias de vôlei? Melhor do Vôlei!

Rexona não precisa ter medo de ninguém no Mundial

Assinar esse tipo de documento é algo incomum, mas não justifica a falha, até porque não ela foi repetida por nenhuma outra jogadora. É um mistério até que ponto o técnico José Roberto Guimarães está ciente desse lapso, mas até o momento a única declaração pública dita sobre as duas, no dia da convocação, mostra que ele acredita em uma simples recusa: “Disseram não à Seleção. Por opção, preferiram ficar fora. Prefiro falar isso agora para depois ninguém dizer que eu não convoquei”.

É possível que Zé Roberto volte atrás e dê uma nova chance a Suelen e Bia depois de saber do esquecimento, mas a imagem de ambas certamente está manchada. Mesmo que não tenham recusado a convocação (e isso seria um direito totalmente compreensível delas), a sensação de imprudência com as responsabilidades vai precisar de um tempo para ser dispersada. Como, em um partida decisiva de Olimpíada ou Mundial, ter 100% de confiança em quem se esquece de assinar um simples papel? É um novo trabalho a ser construído por elas.

Bia e Suelen jogariam na seleção em 2015 para tentar um lugar em uma disputa feroz. Para acompanhar Fabiana e Thaísa como centrais, temos Adenízia, Carol, Angélica, Bárbara, Fran, Juciely, Letícia Hage, Mayhara e Mara. Como líberos, Léia e Sassá se unem a Camila Brait. Se, de fato, existe o sonho de brilhar com o Brasil lá fora, uma mancada desse tamanho era tudo que a dupla do Sesi não precisava.