Brasil x Cuba: o que esperar?

León: sim, ele ainda fará 17 anos...

Brasil e Cuba fazem, a partir das 17h30 deste sábado, uma das semifinais da Liga Mundial. Trata-se de um confronto que coloca frente a frente os dois melhores times da fase classificatória. Também será o primeiro grande duelo das duas equipes desde 2005, ocasião em que o time de Bernardinho bateu os caribenhos por 3 a 1 (25/21, 23/25, 26/24 e 25/21), classificando-se para a final onde conquistaria o quinto de seus oito títulos da Liga.

As duas seleções sofreram muitas modificações desde então. Do lado verde-amarelo, por exemplo, só sobrou Giba, Murilo, Rodrigão e Dante. Em Cuba, Henry Bell, Robertlandy Simón e Yoandri Díaz são os únicos remanescentes. Eles também perderam o técnico: Orlando Samuels está de volta, substituindo Roberto Garcia.

Pode-se dizer que, neste período, a seleção brasileira caiu, enquanto os cubanos, embalados por uma nova geração (a média de idade do time é de apenas 22 anos), voltaram a figurar entre os grandes no cenário mundial – tudo bem que a equipe jamais chegou perto do sucesso do feminino, mas ficar de fora das duas últimas Olimpíadas foi demais…

O Brasil, porém, caiu devido a um processo natural: a atual seleção não é ruim, a anterior é que era absurdamente boa. O time ainda é muito forte e já provou isso no ano passado, quando venceu os sérvios em plena Sérvia e conquistou o primeiro título pós-Pequim. Novamente, será um teste de fogo e eu apostaria em outro 3 a 2 para chegar à final.

Por quê? Fisicamente falando, os cubanos estão voando, enquanto os brasileiros não estão em seu 100% já que a prioridade do ano é o Campeonato Mundial, entre setembro e outubro. A estrela dos caras é um moleque que fará 17 anos no próximo dia 31 chamado Wilfredo León. Ele consegue pegar bolas a 3,5m (!!!), cinco centímetros mais alto que Dante, que, assim como ele, tem 2,01m. A impulsão é tanta que ele constantemente cai do outro lado da quadra, fato que irritou os italianos na derrota por 3 a 0 nesta sexta.

Apesar da pouca idade, León sabe muito bem explorar o bloqueio adversário, artíficio que Argentina e Sérvia usaram bastante contra o Brasil nesta fase final. Também tem um passe razoável, de forma que o alvo preferencial dos brasileiros na hora do saque deve ser seu companheiro de ponta Leal.

Ataque que, pelo meio, não costuma se dar muito bem quando o bloqueio é armado da maneira. O melhor momento da Itália contra Cuba, o fim do segundo set, veio assim: nem o experiente capitão Simón estava conseguindo passar. No release distribuído pela CBV, Murilo ainda lembrou que bloqueio não é exatamente o forte deles: “O bloqueio é praticamente simples, e não tem uma armação tática”. Os números comprovam: em cinco sets contra a Rússia, apenas sete pontos desta maneira. Contra a Itália, foram 14, mas os europeus não estavam muito inspirados…

A baixa média de idade também é um problema para Cuba. No terceiro set desta sexta, por exemplo, eles chegaram estar oito pontos à frente, mas no final da parcial a vantagem já havia caído para dois. O sufoco só não foi maior por incompetência dos italianos. Por outro lado, eles jogarão sem o favoritismo contra o Brasil.

Para terminar, a escalação brasileira ainda é uma incógnita: Giba e Dante disputam para ver quem começa ao lado de Murilo, enquanto Lucas e Sidão se enfrentam pela titularidade no meio de rede. Entre os levantadores, Bruninho corre sério risco de perder lugar para Marlon.

Atualizado: Com a eliminação da Argentina, os organizadores da Liga decidiram inverter a ordem dos jogos e Brasil x Cuba será às 21h00. Rússia x Sérvia jogam às 17h30.

This article has 1 comment

  1. Bem,sabemos que o Ricardinho e racista,podem perceber que ele aos pouco esta tirando os NEGROS DA SELEÇÃO,UM METIDO A SABER TUDO ,CRIOU UM PLANO MAQUIAVELICO PARA COLOCAR O FILHINHO DELE NA SELEÇÃO.MAS FOI DERROTADOS PELOS NEGROS,PEGA SEU BABACA