Desabafo garantiu sobrevivência do projeto de Jacareí em Barueri

Desabafo garantiu sobrevivência do projeto de Jacareí em Barueri
Com projeto viabilizado em Barueri, Renatinha se diz aliviada (Foto: Divulgação/CBV)

Com projeto viabilizado em Barueri, Renatinha se diz aliviada (Foto: Divulgação/CBV)

Foi por muito pouco, mas a próxima edição da Superliga feminina de vôlei não perdeu um representante. Depois de sofrer com promessas não cumpridas e salários atrasados, as jogadoras do time de Jacareí comemoraram nesta segunda-feira (19) a confirmação da transferência da equipe para Barueri e, consequentemente, uma vaga na disputa da edição 2013/2014 do principal torneio de clubes do Brasil.

O curioso dessa história é que a viabilidade dela se deu através de um desabafo. Quando se deram conta que o projeto no Vale do Paraíba não iria mesmo acontecer, as jogadoras passaram a correr atrás de novos apoiadores entre seus familiares, amigos e empresários. A capitã Renatinha, por exemplo, chegou a entrar em contato com nomes como Bernardinho, Giovane e Maurício.

Mais notícias de vôlei? Melhor do Vôlei

Cuba: passado glorioso, presente de tristezas

O patrocínio que nunca existiu e a triste situação de Jacareí

O problema é que tudo o que aparecia prometia verba apenas para o mês de janeiro, período no qual as empresas estão com o orçamento para o novo ano determinado e reservado. O prazo dado pela CBV, no entanto, era bem mais curto: sexta-feira (16) da semana passada.

Renatinha então decidiu desabafar para uma antiga amiga: Fátima, ex-funcionária da Prefeitura de Osasco, que conheceu quando ela ainda era infanto-juvenil do badalado time da cidade paulista, em 1998:

- Quando eu liguei pra Fátima contando o que aconteceu ela me disse que iria ajudar. Ela conhecia o chefe de governo de Barueri, o Junior, então ela ligou pra ele e as coisas começaram a tomar um novo rumo. Não sei nem como agradecer a Fátima, se não fosse a amizade dela e esse jeito que ela tem de ser amiga de todo mundo, de ser tão querida, talvez hoje estaríamos sem time

Com o contato político viabilizado, Renatinha foi atrás da montagem do projeto, algo que nunca tinha feito na vida:

- Foi aí que liguei pra minha empresária, Andressa Caetano, não sabia nem por onde começar. Ela me orientou e desenvolveu um projeto para que eu pudesse apresentar melhor toda a ideia de mudança da equipe

Como os valores pedidos eram menores do que aqueles negociados por Giovane Gávio semanas antes, quando o bicampeão olímpico tentou montar um time masculino na cidade, o martelo foi batido. Tudo estava salvo:

- Enfim, na sexta-feira (16), conseguimos cumprir tudo que a CBV exigiu, mandei uma mensagem pro Renato D’Ávila e ele respondeu com um ok. Estávamos a salvo e com a certeza que agora poderíamos respirar mais tranquilas

Parte das jogadoras já se reapresentou ao Centro Esportivo Sportsville, pertencente ao técnico José Roberto Guimarães, para o reinício dos trabalhos. A nova comissão técnica ainda não foi anunciada.

This article has 3 comments

  1. Grande matéria, Carol! Depois de saber disso que a Renatinha contou, virei fã dela e do time. Só espero que ela e as demais cabeças do grupo não se acomodem pelo fato de terem seus empregos garantidos pelas próximas temporadas, afinal eu não espero que o time se desfaça com o final da edição da Superliga que está para se iniciar.

  2. Valeu Renatinha, mais uma vez vc brilhou com a ajuda da nossa grande amiga Fá que é do timão do coração………
    tudo bem quando nunca perdemos a fé……
    valeu!
    Milly

  3. Sou professor de educação física da FIEB Barueri e lá apostamos muito no Voleibol!!!!!!!! Passei essa informação aos meus alunos que amam voleibol e eles estão mega felizes!!!!!!!!!!!!!
    Parabéns!!!!!!!!!
    Voleibol é uma paixão sem limites!!!!!!!!!!!!