Diário dos Mundiais #13 – Ataque brasileiro passa por cima

Diário dos Mundiais #13 – Ataque brasileiro passa por cima

O saque do Brasil funcionou. É inegável. Além dos cinco aces contra dois do adversário, na vitória por 3 sets a 0 sobre a Bulgária, nesta quarta, o serviço nacional não deixou a recepção adversária em paz. Murilo até avaliou que a seleção “anulou os principais jogadores da Bulgária, sacando nos ponteiros e quebrando o passe”. Mas é difícil não enaltecer o ataque do time, que obteve, hoje sua segunda melhor média de pontos por set – 13,6 pontos por parcial contra 15,6 da vitória sobre a Finlândia.

As notícias do Mundial de Vôlei estão no Melhor do Vôlei

Entrevista exclusiva do Saída de Rede com Murilo

É bem verdade que o técnico búlgaro, Plamen Konstadinov, atribuiu a derrota ao respeito excessivo de seus jogadores ao Brasil e afirmou que seu time “perdeu o jogo antes de começar.” Só que, quando o jogo começou, a ofensiva brasileira foi impiedosa. Com 41 pontos no ataque, os quatro principais pontuadores do Brasil na partida (Wallace, Lucarelli, Lucão e Sidão) marcaram juntos 33 pontos no fundamento em 60 tentativas, aproveitamento de 55%.

Se a vitória de hoje deixou matematicamente mais próxima a vaga à terceira fase, a atuação do time deixou mais distante o mau voleibol do fim de semana. O teste contra o quarto colocado das olimpíadas era bom e o time foi aprovado – e o ataque, com louvor.

**********

LESÕES Depois do jogo, Bruno e Murilo se queixaram de dor e preocupam para o jogo desta quinta-feira, contra a China. Com uma bolsa de gelo na mão, Bruno disse que ainda sentia a lesão do jogo contra a Tunísia, da semana passada, enquanto Murilo reclamou de dores na coxa. Não vai surpreender se a dupla for poupada. Ainda mais que a China parece ser o último adversário de pouco risco que a Seleção enfrenta no torneio.

**********

PÚBLICO AUSENTE Mesmo sendo a segunda fase de um campeonato mundial de vôlei e mesmo com a fama de apaixonado que o torcedor polonês tem pela modalidade, o público presente à Spodek Arena, na rodada desta quarta-feira, foi decepcionante. Para o jogo entre Brasil e Bulgária, FIVB divulgou que havia 3 mil pessoas no ginásio, enquanto no jogo de fundo, na vitória da Alemanha sobre a China, eram apenas mil espectadores. Saudade da torcida finlandesa por aqui.

**********

DIA DOS LÍDERES Se a Rússia não deu chance à Finlândia, a França mostrou, mais uma vez, poder de reação para bater a Argentina. Com os pontos acumulados na primeira fase, é difícil que a dupla – trio, com o Brasil – não continue por aqui na semana que vem, na terceira fase do torneio. Nisso, o regulamento tirou muito da emoção que a segunda fase teria.

**********

POLÔNIA Por outro lado, no jogo mais difícil que encarou até agora, a Polônia frustrou a torcida. Pior: saiu de quadra contra os EUA sem marcar ponto nenhum. Contra França e Irã, o time da casa pode passar por apuro. Ainda mais, se não vencer a Itália, nesta quinta.