Elas querem ficar

“Acho que agora estou na minha melhor fase e quero aproveitar ao máximo porque o voleibol não é para sempre. Depois eu penso em ter a minha família ou descansar um pouco”

A declaração acima é da Jaque, quando a perguntei sobre a possibilidade de ela dar um tempo na carreira neste ciclo olímpico para se dedicar à vida pessoal. Porém, é preciso dizer que ela não se mostrou tão certa assim desta escolha, de maneira que eu não me surpreenderia se ela voltasse atrás nos próximos quatro anos. A matéria completa pode ser vista neste link

“Se eu fico sem treinar ou se tenho muita folga, fico nervosa, acho que estou devendo… Se eu sentir uma dor um pouco diferente, eu paro um pouquinho, mas é normal. Não acho que tenho que me poupar mais do que de costume”

Já esta declaração veio de Thaísa, quando, também durante a apresentação do Sollys, a perguntei se ela terá que diminuir o ritmo em clubes e na seleção pensando em não comprometer sua já complicada parte física para o Rio 2016…

Ao contrário do que eu imaginava no post abaixo, o sonho de se igualar àquela história geração de Cuba dos anos 90 está fazendo a cabeça das meninas da seleção. Bom para o Brasil. Você concorda?