Em jogaço, seleção masculina mostra que vive melhor momento do ano

Em jogaço, seleção masculina mostra que vive melhor momento do ano
Maurício Borges mostra que tem aproveitado os treinos com Bernardinho (Foto: Divulgação/FIVB)

Maurício Borges mostra que tem aproveitado os treinos com Bernardinho (Foto: Divulgação/FIVB)

Se você não pôde ou não conseguiu acordar esta madrugada para ver o jogo entre Brasil e Estados Unidos pela Copa dos Campeões, uma dica: busque um VT. Você perdeu um jogaço, dos melhores disputados este ano. Foram duas seleções atuando em tamanha igualdade que o próprio técnico Bernardinho definiu a partida como “um 3 a 0 com cara de 3 a 2″. Não por acaso, as parciais foram de 31-29, 25-23 e 25-23.

O melhor, para o treinador brasileiro, é que este placar foi favorável ao time que ele comanda, deixando a seleção em posição bastante confortável no torneio: seis pontos de seis possíveis, dois a mais que o segundo colocado, e com o fraco Japão como adversário na próxima rodada. Sem dúvida alguma, foi um ótimo começo para quem quer terminar a temporada de seleções com o título.

Mais notícias de vôlei? Melhor do Vôlei

Sim, Sidão está de volta!

Tão importante quanto o resultado positivo foi ver que, a exemplo do que já havia ocorrido contra o Irã, o time soube lidar com situações de pressão ao longo do duelo, especialmente no finais dos sets. Sim, a equipe está errando demais e Lucarelli e Lucão ainda não mostraram a que vieram neste torneio, mas já são menos altos e baixos quem em relação à Liga Mundial, onde o segundo lugar ficou de bom tamanho.

Outro fator a se destacar é que houve mais um passo na evolução de um ponteiro que nunca conseguiu consolidar no adulto o que dele se esperava na base: Maurício Borges. Perseguido no saque por um time conhecido por seu excelente trabalho tático, o jogador não somente entregou excelente bolas para o levantador Bruno contra os EUA como ainda foi o maior pontuador brasileiro na partida, com 13 acertos. Dois bons jogos me parecem pouca coisa para tirar qualquer conclusão sobre o futuro do atleta neste ciclo olímpico, mas é evidente que ele tem aproveitado bastante a chance de treinar com um especialista como Bernardinho.

Mais do que o título, os jogos do fim de semana contra Itália e Rússia servirão como grandes testes tanto para a seleção quanto para Maurício Borges. Será que eles vão corresponder?