Há 30 anos, o Maracanã era do vôlei. Hoje, o presente é seu; veja vídeo

Há 30 anos, o Maracanã era do vôlei. Hoje, o presente é seu; veja vídeo

26 de julho de 1983. Muita gente que lê este blog, incluindo a autora, sequer era nascido na data. Uma pena… foi justamente nesta terça-feira no Rio de Janeiro que o vôlei brasileiro viveu um dos pontos altos de sua história: uma partida diante de quase 96 mil pessoas em pleno estádio do Maracanã contra a URSS, então campeã olímpica e mundial.

Julho foi escolhido baseado em estatísticas de que era o mês que menos chovia no Rio de Janeiro, mas para azar dos organizadores aquele ano foi excepcional. Na primeira tentativa, em 17 de julho, o tempo ruim obrigou o adiamento para nove dias mais tarde, só que mal começou a partida e a água voltou a cair e forte.

Não havia mais como adiar o jogo porque os soviéticos precisavam ir embora. Então, por respeito ao enorme público, os atletas decidiram jogar mesmo assim. E foi demais: em um show de humildade, os maiores astros da época se dispuseram até a ajudar secar o chão e colocar um carpete em quadra na tentativa de escorregar menos. Outros, como Bernard, optaram por jogar de meias. Ele, aliás, levou o público ao delírio ao aplicar o famoso “Jornada nas Estrelas”.

No fim, vitória para o Brasil por 3 sets a 1, parciais de 14-16, 16-14, 15-07 e 15-10. Em um trabalho de pesquisa, eu e o André Avelar, do R7, achamos o vídeo daquela partida nos arquivos da TV Record e fomos atrás de personagens daquele duelo. As imagens estão acima e o material escrito tem os links abaixo. Modéstia à parte, eu leria tudo se fosse vocês :)

Noite mágica e de odisseia do vôlei brasileiro com 90 mil no Maracanã completa 30 anos

Veja as fotos: Há 30 anos Brasil vencia URSS no vôlei masculino

Heróis perderam bigodes, cabelos e ganharam rugas

Narrador de histórico Brasil x URSS no vôlei duvida de novo Maracanã lotado

Torcedor presente ao Maraca relata russos intimidados e dificuldades para voltar pra casa

Geração dos anos 80 fez história com saques e prata olímpica

Polônia quer repetir ousadia do Maracanã no ano que vem