Jaque confia em reviravolta do Sesi, mas admite: “Nunca perdi tanto na minha vida”

Jaque confia em reviravolta do Sesi, mas admite: “Nunca perdi tanto na minha vida”

O jogo contra o Vôlei Nestlé fora de casa era uma ótima oportunidade de o Sesi começar a reverter a péssima fase que vive, mas não deu: com o passe na mão em grande parte do duelo, Dani Lins fez uma boa distribuição de ataque e Osasco venceu com tranquilidade por 3 sets a 0, parciais de 25-16, 25-20 e 25-15. Foi a 12ª derrota em 20 jogos feitos pela equipe da Vila Leopoldina, que pecou demais na recepção e na falta de eficiência das ações ofensivas.

Após o duelo, Jaque não fugiu da imprensa e conversou com os jornalistas pacientemente tentando explicar o porquê de um grupo com tanto investimento estar apenas em sétimo lugar na tabela. Tentar é realmente o verbo certo para a ocasião, pois nem a própria ponteira consegue encontrar uma resposta satisfatória. “Todo mundo me faz a mesma pergunta, mas é difícil dizer alguma coisa. Estamos treinando, se empenhando, só que não está rolando… não sei o que eu posso falar. Se é a química, entrosamento, não sei. A gente vem mudando bastante a levantadora, outras jogadoras, mas está complicado”, comentou.

Mais notícias de vôlei? Melhor do Vôlei!

Doug Beal: “Não é possível dizer adeus ao voleibol”

Dona de uma carreira com mais altos do que baixos, Jaque admite que nunca passou por uma fase ruim tão longa em quadra. Ainda assim, faz questão de frisar a confiança em uma reviravolta a qualquer momento. “Nunca perdi na minha vida tanto como estou perdendo aqui, mas faz parte. Não adianta eu julgar uma ou outra ou culpar o técnico. Não é isso! Precisa um pouco mais de feeling uma da outra para que tudo dê certo. E se a gente vier a surpreender…”, afirmou.

A jogadora se apega ao que viveu com a seleção brasileira nos Jogos Olímpicos de Londres para não perder as esperanças – na ocasião, a equipe nacional ficou muito perto de ser eliminada ainda na primeira fase, mas se classificou no sufoco e acabou levando a medalha de ouro.

“Eu nunca vou desistir, até porque eu já passei por um momento como esse na Olimpíada e a gente acabou surpreendendo. Então, tudo pode acontecer. Acredito muito nesse grupo, que é jovem e tem duas jogadoras experientes, como eu e a Fabi”, afirmou a atacante. Ela ainda elogiou o técnico Juba, que assumiu o comando do Sesi após a demissão de Talmo de Oliveira, em janeiro. “Ele vem fazendo um trabalho muito legal, pegou uma fase complicada, mas está buscando, fazendo com que o grupo treine bastante para que a gente possa surpreender nos playoffs”, contou.

Cinco pontos para entender a péssima fase do Sesi

Por fim, Jaque admitiu que tem jogado abaixo do que pode, mas pediu que a cobrança não se concentre apenas nela e em Fabiana, as duas estrelas do time. “O jogo não é só em uma jogadora, precisamos de todas, até porque nem eu e nem a Fabi estamos no tênis, mas sim no voleibol”, destacou.

O Sesi volta a jogar já na próxima sexta (19) e tem uma parada duríssima pela frente: o líder Rexona-Ades, em duelo programado para 19h00 (horário de Brasília), no ginásio da Vila Leopoldina.