Cubano Juantorena melhora a Itália: é justo com as outras seleções?

Cubano Juantorena melhora a Itália: é justo com as outras seleções?

De crise por problemas disciplinares a uma vaga no Rio-2016. Em pouco mais de dois meses, a seleção masculina de vôlei da Itália conseguiu uma daquelas viradas que nos fazem amar o esporte e, ao lado dos Estados Unidos, conquistou a classificação olímpica através da Copa do Mundo 2015. O cubano Osmany Juantorena teve papel fundamental nessa ressurreição, o que nos obriga a questionar: a convocação dele é ética?

Ponteiro de bom saque e ataque eficiente, Juantorena elevou os italianos a outro patamar ao estabilizar a recepção e também permitir um desafogo para o excelente Zaytsev. Com ele, a Itália foi capaz de superar a campeã mundial e favorita Polônia. Aos 30, o atleta deu declarações comemorando a vaga como a realização do sonho de estar nas Olimpíadas, já que não teve essa chance nos três anos em que defendeu seu país (2003 a 2006).

Mais notícias de vôlei? Melhor do Vôlei!

Surpreendente, Copa do Mundo feminina deixa apostas olímpicas ainda mais difíceis 

Pelo lado individual, não há como condenar o jogador. Quem não faria o mesmo que ele, se nascesse em uma nação fechada e que amarrasse a convocação ao time nacional a uma série de regras que restringem sua liberdade de trabalhar? Vale lembrar que, depois de pegar uma suspensão de dois anos por doping, Juantorena se mudou para a Itália em 2009. Desde então, teve passagens pelo Catar e pela Turquia até ser chamado pela defender a Azzurra pela primeira vez agora na Copa do Mundo.

Juantorena caiu como uma luva no time, assim como provavelmente aconteceria com Yoandy Leal na seleção brasileira. O craque do Sada Cruzeiro, aliás, já está em processo de naturalização, mas não acho que recorrer a estrangeiros seja um caminho correto. Isso detona o princípio de um torneio de seleções, aproximando-as muito mais de um clube, onde quem tem mais dinheiro possui mais chances. Com as regras frouxas da FIVB neste aspecto, está sendo aberto um precedente perigoso no qual as seleções de vôlei podem virar um grande comércio. Até a malfadada Fifa, no futebol, possui critérios mais rigorosos para evitar a bagunça.

Não bastasse isso, naturalizar jogadores é ruim para as categorias de base, pois você vai buscar em outros países qualidades que deveria trabalhar duro para construir em casa. A curto prazo, é um caminho mais fácil, sem dúvidas, mas acaba minando o esporte internamente.

Sobre o restante da Copa do Mundo, concordo com este texto aqui: o torneio se arrastou com jogos desinteressantes até a reta final e isso é péssimo para o marketing da modalidade. Campeão no Japão, os EUA reforçam cada vez mais o favoritismo para o pódio olímpico, ao passo que a Rússia se encontra em franca decadência. Apesar da decepção de ficar a um ponto da classificação antecipada, a Polônia segue no primeiro escalão do vôlei e tem totais condições de superar o interessante Pré-Olímpico europeu que se formou, contra os próprios russos, França e Sérvia. Daqui a um ano, o Brasil que se cuide muito se não quiser passar vexame em casa…

Deixe a sua opinião: você é a favor ou contra a naturalização de jogadores nas seleções de vôlei? O que achou da Copa do Mundo masculina?

This article has 4 comments

  1. Concordo com a matéria, mas poderia me responder algo?Há tempos venho buscando informações, mas nunca encontro nada.É verdade então que o processo de naturalização está em andamento do Leal?Se for vou ficar feliz, mas impossível ele jogar nas olimpíadas ano que vem, a não ser que a queridinha da FIVB, a Polônia, consiga fazer a entidade mudar a regra e diminuir pra um ano a carência.Mas mesmo assim, acho que não dá mais tempo, pois a contagem começa a partir da naturalização e nesse caso sem chances.

  2. Acho q a naturalização pra poder jogar em outros países só tende a equilibrar algumas seleções. Não acho anti ético, pois 90% desses atletas q se naturalizam são cubanos. E até onde eu sei cada seleção só pode ter um atleta naturalizado. Outra coisa q prestei atenção é q quando se fala em convocação de estrangeiros naturalizados, os únicos interessados são aquelas seleções que estão em certa dificuldades. Não se vê a Polônia dizendo q vai convocar León,por exemplo. Pq? Pq na polonia tem material humano de nivel. Russia a mesma coisa. Agora Italia q estava em decadência se viu sem saída e convocou Juantorena e deu certo assim como com Aguero na seleção feminina. Brasil precisa muito de um ponteiro como Leal, mas mesmo q ele possa jogar a olimpíadas creio q o bernardinho não iria convocar. O intocável Murilo, e o restante da panela ja estão confirmadissimos para o Rio. Assim foi em Londres por exemplo quando ele levou o Rodrigão q não era titular nem no clube no qual ele jogava sendo q o Éder estava em plenas condições de ir. Se o Brasil não tivesse tão necessitado de ponteiros com certeza não se falaria em naturalização de Leal.

  3. Oi, Klaus! Você está certo: é extremamente improvável que o Leal defenda o Brasil no Rio-2016, pois, pela regra, ele precisa de dois anos como naturalizado. Porém, jamais falo nunca no esporte, afinal regras sempre podem ser quebradas. Veja este link falando sobre a naturalização: http://www.otempo.com.br/superfc/v%C3%B4lei/leal-mais-perto-da-naturaliza%C3%A7%C3%A3o-1.1054813

    Oi, Junior! Obrigado pelo debate: mesmo mostrando uma opinião contrária, você foi muito educado :) Sobre o León, creio que a Polônia tem sim interesse em contar com ele, afinal não se desperdiça um jogador desse nível – se você viu algo dos caras lá dizendo que não o querem, me passa o link, por favor. No mais, queria acrescentar que é até verdade sua colocação de somente os que estão em dificuldades pensam nisso, mas a questão é que a gente nunca sabe quando a seleção X ou Y vai passar por dificuldades. E aí, o que acho errado na naturalização, é que o problema é resolvido da forma mais simples, aproveitando-se da desgraça em Cuba e não da maneira que me pareceria mais correta, que é investindo em categorias de base. Por fim, o Bernardinho já deu declarações pró-Leal e, na atual fase da seleção br, duvido que ele se daria ao luxo de não convocá-lo (até porque a naturalização dele tem o apoio do COB e da CBV).

  4. Obrigado Carol pela atenção em me responder e pelo link.Fiquei super feliz com a notícia.É estranho, porque a imprensa não tem divulgado nada sobre isso e já perguntei diversas vezes ao Bortolleto, mas parece que estão escondendo o assunto.Tomara mesmo que vc tenha razão e em se tratando de FIVB, regras lá são somente meros detalhes que podem ser quebradas a qualquer momento.Temos o exemplo da Rússia esse ano.