Juciely agarra nova chance na seleção e já começa a pressionar outras centrais

Juciely agarra nova chance na seleção e já começa a pressionar outras centrais
Juciely: preterida da disputa em Londres, ela tenta se agarrar à sua última chance olímpica (Foto: Divulgação/CBV)

Juciely: preterida da disputa em Londres, ela tenta se agarrar à sua última chance olímpica (Foto: Divulgação/CBV)

Com 1,84 m, ela é considerada “baixinha” para a posição de central. Além disso, demorou para estourar no vôlei, o que só foi acontecer por volta dos 30 anos. Pouca gente poderia imaginar que Juciely ainda poderia galgar uma vaga de titular na seleção brasileira, mas essa é a chance que ela está agarrando com tudo neste início de ciclo olímpico.

Nesta sexta-feira (2) diante da Polônia no Grand Prix, Juciely teve, na minha opinião, a melhor atuação em quadra. Com um senso absurdo de posicionamento no bloqueio, ela foi a principal responsável por impulsionar o Brasil à virada por 3 sets a 1 diante da Polônia, depois de um começo muito desatento das comandadas por José Roberto Guimarães.

Mais notícias de vôlei? Melhor do Vôlei

Fernanda Garay, Gabi e Monique também merecem elogios, assim como toda essa base por conta da seqüência de resultados positivos. Porém, não podemos nos iludir: essa formação serve apenas para a comissão técnica observar boas alternativas para os momentos decisivos dos próximos anos, já que um time tão baixo, mas não tão rápido, não tem condições de ir muito longe no cenário internacional.

E é aí que eu vejo Juciely como a grande beneficiada desta situação. Ao conseguir repetir com a camisa amarela as boas atuações que fez com a Unilever, ela passa a pressionar cada vez mais o trio formado por Thaísa, Fabiana e Adenízia na luta por vagas nas próximas competições.

O aspecto físico pode pesar contra Juci nesta briga, mas condições técnicas para ao menos tentar ela tem. Aliás, não duvidaria que Zé passasse a chamar as quatro, dispensando uma ponteira na hora do funil das convocações. A ver os próximos passos. Só espero que o simples preconceito contra a idade não pese contra esta ótima central.

Você acha que Juciely tem condições de virar presença constante na seleção?

This article has 6 comments

  1. Sinceramente não vejo muito espaço para ela, Adenízia quase não jogou em Londres. Acho pouco provável ele levar 3 ponteiras e 4 centrais. Até porque as ponteiras tem maior serventia e papel tático do que as centrais.
    Até Rio 2016 Fabiana e Thaísa continuam intocáveis e Juciely nào chega nem perto do potencial técnico e físico de ambas.
    Se for para investir em uma nova central, que seja a Bia, que é alta, jovem e terá condições de seguir por mais tempo que Juciely, lembrando que casos como Dani Scott são exceções no mundo do esporte.

  2. É difícil a Juciely se firmar como uma das centrais, agora, ela joga muito e bloqueia pra caramba, é inegável, mas com outras centrais mais altas e outras novatas aparecendo, sei não, pra ela seria ótimo, pois como disse, ela joga muito!

  3. Juciely até joga direitinho, só que esteve longe de ser a melhor ontem no confronto Brasil X Polônia. Como disse é uma boa central, porém, muito baixa e tem muita dificuldade contra bloqueios grandes, lembro-me da final do torneio Alassio contra a Itália que Jucy foi engolida pela ponteira italiana, foi bloqueada em todas chinas possíveis e imagináveis. No confronto contra a Rússia Juciely quase não pontuou no ataque foi bloqueada várias vezes, só para motivo de comparação Thaísa nas quartas de final das Olimpíadas fez incríveis 24 pontos contra uma fortíssima seleção russa. Sinceramente a seleção brasileira se acostumou com centrais que bloqueiam bem e que tenham mais responsabilidade na virada de bolas como Thaísa e Fabiana (as melhores centrais do mundo) e não com uma central que pode até se dar bem na Superliga, porém, só ataca china.

  4. Sim, na seleção master. É brincadeira o Brasil começar o ciclo olimpico apostando numa jogadora de 32 anos em 2016 ela terá 35, será que não seria melhor apostar na Bia ou melhor ainda na Carla. Dizer que não tem jogadoras altas é mentira, pois aquelas que aparecem não são trabalhadas pelo próprio Zé, além da Carla a Duda que jogou no SBC como ponteira e pq não já apostar na Rosamaria, até 2016 temos ainda grandes atletas o problema vai ser depois.

  5. Juviely tem jogado muito bem e é muito mais efiiente do que a Adenízia, uma vez que ela é mais veloz, ela chega mais equilibrada nos bloqueios. Assim, se a comparação for com a adenízia, ela é superior e pode beliscar uma vaga. Mas acho difícil. Porém a posição central não me preocupa, pois temos a fabiana e a thaísa. A preocupação está na líbero, com a provável aposentadoria da fabizinha. A Brait, além de não trazer segurança ao time, falta a garra da titular.

  6. Ela não estourou aos 30, mas aos 27/28, sob as mãos da Fofão no Blausiegel, logo na primeira temporada da parceria com o Sanca, e só não assumiu uma posição na seleção porque há a questão da hierarquia e da idade, pois pensava-se que no pós Londres ela já estaria em decadência para assumir mais um ciclo . Zé tinha Fabiana e Thaisa, e manteve a Carol Gataz, que a essa altura já deveria ter sido limada, já que nunca se firmou.

    Àquela altura o Zé pensou que a renovação nessa posição passava pelas novinhas Natália (a outra central do Sanca) e Adenizia, e ignorou a Jucy, que quando teve a sua chance na temporada seguinte, era a última das centrais, a do corte. Sem falar que o Zé não meche muito na posição, embora de vez em quando dê uns sustos na Fabiana.

    Respondendo a sua pergunta, ela tem condições. Desde que estourou, ela nunca oscilou seu desempenho técnico de uma temporada para outra, coisa que já vimos acontecer com as outras 3. Diferentemente do que você pensa, Carol, a questão física por conta da idade passa longe da Jucy. O que pesa é saber se o Zé e sua comissão já pensam em preparar uma nova central para o pós Rio, pois aí sim vamos precisar de meninas com muita lenha para queimar.