Levantadoras são a única surpresa da convocação de Zé Roberto

Levantadoras são a única surpresa da convocação de Zé Roberto

Mal deu tempo de desmontar a festa do Rexona no Nilson Nelson e os fãs de vôlei já ganharam um novo tema para comentar: a pré-convocação da seleção brasileira feminina para a temporada 2016, feita pelo técnico José Roberto Guimarães no fim da manhã desta segunda-feira (4). Das 19 atletas chamadas, somente 12 terão o privilégio de disputar o torneio mais importante do ano, os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro.

De uma maneira geral, não houve grandes surpresas. A exceção fica por conta da posição de levantadora: mesmo sabendo que só poderá contar com Fabíola caso ela tenha parto normal, o técnico decidiu chamar Naiane e Roberta, atletas jovens e ainda em fase de consolidação da carreira, para ser uma possível substituta da titular Dani Lins. Macris, que vinha sendo testada na seleção, e Claudinha, destaque na Superliga com o Praia Clube ficaram de fora.

Mais notícias de vôlei? Melhor do Vôlei!

Seleção, final, temporada… O que foi dito após a decisão da Superliga

O bebê de Fabíola está previsto para nascer no mês que vem e a levantadora se encontra em excelente condição física. Além disso, possui a confiança total de Zé Roberto e será esperada até o último momento, mas é inegável o risco de apostar nela nesse momento. Caso consiga ir aos Jogos, não estará no ritmo de outras atletas. Caso não consiga, teremos uma reserva inexperiente naquela que possivelmente é a posição mais difícil de um time.

Sobre as demais posições, o cenário é claro. Entre as opostas, Tandara e Monique disputam a função de reserva de Sheilla, enquanto no meio Adenízia, Carol e Juciely lutam entre si para acompanhar Fabiana e Thaísa no Rio de Janeiro. Camila Brait também está bem cotada para ser a líbero, mas é bom não vacilar por tudo o que Leia vem jogando. Entre as ponteiras, Mari Paraíba dificilmente conseguirá tirar alguém do quarteto formado por Fernanda Garay, Gabi, Jaqueline e Natália, mas estará se preparando com o grupo para estar pronta caso ocorra alguma eventualidade. Jaque é a que corre mais riscos, pois não fez uma temporada muito boa pelo Sesi e tem sofrido com uma série de problemas de saúde (o último deles, ainda não resolvido, é no pulmão).

Controle emocional: o grande segredo do campeão Rexona

Alguns torcedores notaram a falta da central Walewska e da líbero Fabi na convocação. Mesmo veteranas, ambas certamente teriam condições de defender o Brasil nas Olimpíadas, mas infelizmente esse não é o desejo delas. Aposentadas da seleção, elas já haviam avisado que não aceitariam qualquer convite de Zé Roberto para voltar e, por isso, sequer foram consideradas neste crivo inicial.

Fabiana e Leia já estão em Saquarema, enquanto as demais atletas irão se apresentar aos poucos de acordo com o calendário que viveram/vivem em seus respectivos clubes. Amistosos e Grand Prix, além dos treinamentos, ajudarão a comissão técnica a decidir quem vai fechar a lista olímpica.

This article has 3 comments

  1. Maracanãzinho? Oi?

  2. Desculpe, Diego. Falha mental. Já foi arrumado

  3. Realmente a única surpresa foi convocar a Fabíola. Sinceramente, eu não entendo essa de esperar por ela até o último minuto. Se fosse ela uma jogadora “top” fora do normal, como Sheilla, Fabiana, Thaísa, Garay, valeria a pena, mas é uma jogadora que há quatro anos atrás não serviu para ele e o mesmo a descartou até de uma forma deselegante, no saguão do aeroporto (se não me falha a memória).

    Até mesmo, se o Brasil fosse um país limitado tecnicamente de jogadoras, acho que não compensaria esperar. Dani Lins é titular absoluta, mas acho que por rixa ou algo pessoal, ele acabou injustiçando a Claudinha, que querendo ou não, sempre esteve no nível da Fabíola.

    E a verdade é uma só. Se teremos uma reserva considerada inexperiente nas Olimpíadas, a culpa é toda dele, pois ele teve 4 anos anos aí para preparar essas jogadoras, e na hora final, ele acaba não convocando quem ele preparou nesse tempo, por pura birra ou algo assim. Claudinha, Macris, Ana Tiemi… quatro anos que não serviram para nada, pelo jeito.