Lorena diz ter bom coração e se vê injustiçado: “Sou sempre o prejudicado”

Os lamentáveis acontecimentos do primeiro jogo da final do Campeonato Paulista, entre Sesi e Medley/Campinas, por pouco não deixaram a partida bastante desfalcada. Isso porque Leozão, Lorena, Cleber e Sidão foram a julgamento no TJD durante a semana por terem se envolvido na confusão. Se punidos, seriam enormes desfalques para o time da capital, mas no fim as penas acabaram convertidas em multa de R$ 15 mil.

A briga gerou diversos comentários na Internet e me chamou a atenção os ataques a Lorena. Provocador assumido, o oposto foi classificado até mesmo de “Carminha do vôlei”. Muita gente adora o jeitão do jogador, mas não há dúvidas que o histórico já começa a se refletir em sua imagem. Por isso, resolvi entrevistá-lo para que ele pudesse falar sobre seu comportamento em quadra e desse sua versão sobre o que ocorreu em Campinas.

Em resumo, Lorena falou que tudo começou porque as provocações dos dirigentes da Medley romperam a barreira da falta do respeito com os atletas do Sesi e ressaltou que mal teve participação no desentendimento, sendo punido injustamente (o cartão amarelo teria sido para Sidão). Ele ainda disse que se sente perseguido e, até para diminuir isso, pretende sair de lado “dependendo da confusão”. Sincero, porém, ressaltou logo em seguida que nunca vai se tornar um jogador quietinho, de cabeça baixa.

A matéria completa foi publicada na manhã deste sábado no R7. O texto está abaixo:

Provocador do vôlei diz ter bom coração e se vê injustiçado: “Sou sempre o prejudicado”

Lorena, do Sesi, explica confusão que quase o tirou da final do Campeonato Paulista

Ter Lorena em uma quadra de vôlei é garantia de emoções. Não só por conta de sua capacidade em fazer belos ataques, mas também por conta do seu jeito. Agitado e assumidamente provocador, o oposto do Sesi volta e meia se envolve em tumultos durante as partidas. Devido a um deles, chegou a ser julgado pelo TJD (Tribunal de Justiça Desportiva) e por pouco não foi suspenso das finais do Campeonato Paulista de Vôlei 2012.

Em entrevista exclusiva ao R7, Lorena disse que não pretende mudar seu jeito, apesar de se sentir prejudicando por conta disso. Segundo o jogador, muitas vezes ele leva a culpa em casos no qual não fez nada demais. Foi o caso da partida do último domingo (14), quando acabou expulso no intervalo do terceiro para o quarto set junto do também oposto Leozão após estar no meio de uma discussão com integrantes da comissão técnica do Medley/Campinas.

Longe das quadras, ex-jogadora Mari Paraíba faz um novo ensaio sensual

Com “seleção em quadra”, Osasco atropela e é campeão mundial de clubes

Dentinho enche filho de carinho no primeiro mês; veja

- Tudo cai em cima de mim. No jogo de domingo até o arbitro errou, porque o cartão amarelo que foi dado para o Sidão (também jogador do Sesi), a TV mostra perfeitamente isso. Eu nem vi a provocação, quem foi para discutir foi o Serginho e Sidão. Mas não tem problema. Só gosto quando a verdade é esclarecida, mas, neste caso, o prejudicado está sendo eu. Aí, eu fico revoltado.

Os problemas teriam começado já no primeiro set, através de Fernando Maroni, supervisor técnico de Campinas. Segundo Lorena, o dirigente provocou, xingou, fez gestos obscenos até ser retirado do ginásio. Mas a medida não adiantou muito, já que Maroni teria voltado para perto da quadra, se aproveitando de seu cargo no time do interior, que jogava em casa:

- Desde o primeiro set ele vinha nos atingindo com palavras muito fortes até acontecer o que houve. Foi muito triste para a gente do Sesi, principalmente porque nada disso teria acontecido se alguém tivesse parado a partida enquanto ele continuasse no ginásio. O foco ficou muito em cima de mim, mas ninguém sabe como começou. O pessoal de Campinas fez de tudo para que isso acontecesse (…) Eu sou o primeiro que gosta de provocar, mas foi falta de respeito. É completamente diferente.

Os dois times voltam a se encontrar neste sábado (20), às 13 horas (horário de Brasília), quando Sesi precisa vencer para empatar a série melhor de três da final estadual e jogar a decisão para segunda-feira (22). O jogo será no ginásio da Vila Leopoldina, casa do Sesi, mas Lorena assegura que os rivais serão muito bem recebidos:

- Vamos mostrar a eles que no nosso ginásio todo mundo é bem tratado, aqui a gente só pensa em jogar voleibol. Não é porque eles fizeram uma m… lá conosco, nos trataram como cachorro, que vamos fazer igual. Aqui eles vão ser muito bem tratados, só queremos jogar vôlei e mostrar isso para a criançada do projeto maravilhoso do Sesi

E quanto a mudar o jeito provocador? Isso Lorena reconhece que não vai acontecer…

- Dependendo da confusão que acontecer no jogo, eu vou até sair de lado, mas não vou mentir: tenho o meu jeito, jogo com o coração. Eu amo como eu jogo e não quero perder isso nunca (…) Vou jogar do jeito que todo mundo gosta de me ver jogar, pois ninguém quer o Lorena quietinho, de cabeça baixa. Muita gente vem ao ginásio para ver o Lorena que eles conhecem, que eu sempre fui. Sou uma pessoa de coração muito grande, tanto que nos clubes em que eu joguo, me dou muito bem com todo mundo. O meu problema é que eu sempre quero proteger todo mundo, me envolvo muito, sou o primeiro a dar a cara a tapa e isso prejudica muito a minha imagem.

This article has 1 comment

  1. O Lorena é muito envolvido durante o jogo. É absurdo.
    E a garra intensa às vezes prejudica. Ele não aceita provocação quieto.

    Agora, depois que o jogo acaba, esse cara é um dos jogadores mais simpáticos e gentis que eu conheci. No jogo contra Pindamonhangaba pelo Campeonato Paulista, foi legal com todo mundo que ficou esperando pra foto. Sem estrelismo…

    É personalidade.