Luizomar mostra confiança para nova temporada em Osasco: “Fizemos algumas contratações bem pontuais”

Luizomar mostra confiança para nova temporada em Osasco: “Fizemos algumas contratações bem pontuais”

Suelle e Lise Van Heck. O Vôlei Nestlé/Osasco investiu somente em dois grandes nomes para a temporada 2015/2016 do vôlei brasileiro, mas o técnico Luizomar de Moura está confiante. Após conseguir manter as principais jogadoras do elenco, ele acredita que a torcida terá motivos para sorrir nos próximos meses.

“Fizemos algumas contratações bem pontuais. A Suelle é uma jogadora de fundo de quadra, de composição, enquanto a Lise é uma oposta que sempre se destacou muito, que eu conhecia de temporadas internacionais como técnico das seleções de base. Nosso objetivo é sempre muito audacioso, de estar brigando por todos os títulos”, comentou o treinador, em entrevista ao Saída de Rede.

Mais notícias de vôlei? Melhor do Vôlei!

ESPN perde a chance de mostrar o melhor time de 2015

Ao seu estilo, Luizomar também faz questão de evitar promessas, ressaltando a força dos adversários. “Já vencemos os principais títulos em disputa, alguns deles várias vezes, mas sabemos que está cada vez mais difícil, pois as outras equipes também estão se armando. Daqui, a pouco vamos ter a abertura da Superliga e ouviremos o mesmo discurso, mas não é papo: a Superliga fica mais competitiva a cada ano”, analisou.

Categorias de base

Técnico das categorias de base do Brasil desde 2003, Luizomar também falou sobre o futuro do voleibol nacional. Para o treinador, a 11ª colocação no Mundial Infanto-Juvenil feminino deste ano não é preocupante (“São meninas de muito potencial físico, então daqui a pouco os clubes vão trazê-las para estruturas com um maior nível de exigência). O problema é o método de trabalho desenvolvido pelos principais rivais.

“Estamos passando por algumas dificuldades na formação. Um dos sucessos do vôlei brasileiro sempre foi o investimento na base e hoje todo mundo está fazendo isso. Estamos passando por várias discussões internas para descobrir um novo modelo, pois Itália, República Dominicana, Rússia, Turquia e China fazem seleções permanentes com essas meninas, enquanto aqui elas saem da concentração da seleção e vão para vários clubes. A gente corre risco de ter resultados abaixo do esperado no futuro”, afirmou.