Mesmo com mercado difícil, Érika e Paula Pequeno relutam em ir para o exterior

Mesmo com mercado difícil, Érika e Paula Pequeno relutam em ir para o exterior

Não é novidade para ninguém que acompanha vôlei brasileiro que o nível de investimentos na atual janela de mercado caiu. Consequentemente, muita gente com renome no mercado tem encontrado dificuldade para se encaixar na próxima temporada. Entre eles, estão duas medalhistas olímpicas: Érika e Paula Pequeno.

Em comum, ambas defenderam o Brasília na última temporada e, apesar de terem propostas de fora, querem continuar por aqui nos próximos meses.

Mais notícias de vôlei? Melhor do Vôlei!

Sem pressa em arrumar um clube, Carol Albuquerque cogita até aposentadoria

“Eu ainda tive essa lesão na mão e acaba que o mercado vai ficando mais fechado”, comentou Érika, em fase final de recuperação de uma fratura na mão. “Você vai envelhecendo, mas acho que ainda tenho muito gás e quero continuar no Brasil. Tenho proposta do Atom, da Polônia, onde fui campeã em 2013 e da Rússia, mas estou em outra fase da vida, de me divertir jogando. Espero fechar no Brasília ou no Minas, onde der”, destacou.

Paula, por sua vez, pensa na filha Mel, prestes a completar nove anos. “O mercado está difícil, parado e estamos tentando planejar uma estratégia diferente. Que existe a possibilidade de ir para o exterior, existe, mas quero ficar aqui, pois minha filha já está muito bem adaptada à escola, naquela fase super importante, então eu gostaria muito de não precisar ter que sair”, afirmou.

Aposentadoria é uma palavra que não faz parte do volcabulário das duas por enquanto. Questionada se deseja ter uma festa de despedida como a de Fofão, Paula deixou claro que não vai parar tão cedo: “Quem sabe, né? Acho que esse dia ainda vai esperar um pouquinho, eu amo muito o que faço, estou bem fisicamente. Quando você ama o que faz e Deus te concede a saúde… “