Montaño brilha, mas Peru vence em Bariloche

Montaño brilha, mas Peru vence em Bariloche

Sidrônio Henrique, de Bariloche

A noite poderia ter sido de Madelaynne Montaño. A veterana oposta colombiana marcou impressionantes 31 pontos em apenas três sets, mas sua seleção não conseguiu fechar nenhuma parcial e viu as rivais peruanas celebrarem uma vitória que representou um passo importante rumo a Rio 2016. Peru 3-0 Colômbia (30-28, 25-22, 25-22), na terceira rodada do pré-olímpico feminino sul-americano, disputado em Bariloche, Argentina (veja tabela abaixo).

As notícias sobre os pré-olímpicos do vôlei estão no Melhor do Vôlei

Angela Leyva, a melhor jogadora da nova geração do voleibol peruano

Montaño foi a maior pontuadora da partida, com 30 de ataque e um bloqueio, mas deixou a quadra cabisbaixa. Pelo lado vencedor, a ponteira Angela Leyva foi a mais efetiva, marcando 20 pontos (16 de ataque, três de bloqueio e um de saque).

Essa Montaño-dependência foi devastadora para as colombianas. As duas ponteiras, Amanda Coneo e Paola Ampudia, marcaram apenas cinco e três pontos de ataque, respectivamente, com eficiência de não mais que 25% no melhor caso. Pelo lado peruano houve mais equilíbrio. A ponta Carla Rueda, que joga na segunda divisão da Itália, marcou dez pontos de ataque, enquanto a oposta Maguilaura Frias, 18 anos, fez sete nesse fundamento.

 

Cautela

O técnico do Peru, o brasileiro Mauro Marasciulo, preferiu não fazer festa. Ele que ontem havia dito que esta partida definiria o campeão do torneio, foi cauteloso e disse que vai pensar na Venezuela, adversário deste sábado. Nada de alfinetar as argentinas.

A rodada terá ainda o confronto entre as donas da casa e a Colômbia. A Argentina já passou pela Venezuela, mas precisa derrotar a Colômbia. Já o time de Montaño está em situação delicada.

“A minha vida toda sonhei em disputar os Jogos Olímpicos e eu não vou desistir agora, que é a minha última chance. Amanhã, contra a Argentina, eu vou dar tudo de mim para sair com uma vitória”, afirmou Madelaynne Montaño.

A capitã do Peru, a central Mirtha Uribe, disse que esperava um jogo equilibrado e que tinham a expectativa de neutralizar Montaño para vencer. “Sabíamos que ela ia marcar muitos pontos, é uma atacante excepcional, mas conseguimos pará-la nos momentos decisivos. Além disso, nosso saque foi muito importante para nos colocar em vantagem”, observou Uribe.

 

Críticas

Mauro Marasciulo comemorou efusivamente a vitória sobre as colombianas, muitas das quais ele havia treinado no período em que trabalhou como técnico da seleção do país, de 2011 a 2014. Conhecê-las, segundo ele, foi um fator importante. O treinador fez ainda questão de ressaltar o papel da levantadora Alexandra Muñoz e da central Mirtha Uribe, dois alvos de críticas no Peru e que, de acordo com ele, têm tido papel importante na equipe.

“Veja o que a Muñoz fez hoje, que distribuição bem feita, jogou de forma inteligente uma partida tão importante. Olha a Uribe, que tem 30 anos mas joga com a paixão de uma juvenil. Ela sente muitas dores, mas jamais se recusa a vestir a camisa da seleção. Ela foi fundamental para transmitir calma às mais jovens, o time jogou com tranquilidade”, comentou Marasciulo.

A ausência da levantadora Zoila La Rosa, cortada da equipe e que já havia sido afastada da seleção por indisciplina por outros treinadores, é um tema polêmico entre os peruanos. “Exceto pelas que se contundiram e não podem jogar, as que estão aqui são as que querem defender as cores do país. O verdadeiro torcedor peruano não critica esse time, apoia”.

Na tentativa de melhorar o nível do voleibol peruano, Marasciulo tem recorrido a nomes brasileiros. Dois deles são o auxiliar técnico Marcos Queiroga, que veio do Minis Tênis Clube, onde havia sido quarto colocado na Superliga feminina na temporada passada, e o fisioterapeuta Felipe Galdino. Além de trabalhar com a seleção principal como assistente, Queiroga assumiu a seleção juvenil feminina do Peru.

 

Vagas para a Rio 2016

Apenas o campeão deste torneio com cinco equipes ganha vaga para os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro. O segundo colocado disputará o pré-olímpico mundial e o terceiro uma repescagem com o terceiro da Norceca (Confederação de Voleibol da América do Norte, Central e Caribe) e o segundo e terceiro colocados do pré-olímpico africano.

Por razões jamais explicadas pela Federação Internacional de Vôlei (FIVB), os terceiros colocados da Norceca e da América do Sul ganham uma chance maior de estar nas Olimpíadas do que os segundos colocados em seus pré-olímpicos.

 

Pré-Olímpico Feminino da América do Sul

Data: 6 a 10 de janeiro de 2016

Local: Ginásio Pedro Estremador, Bariloche, Argentina (horário de Brasília)

 

Jan 6
Colômbia 3-2 Venezuela (25-14, 15-25, 21-25, 25-17, 17-15)
Argentina 3-0 Chile (25-10, 25-15, 25-14)

Jan 7
Peru 3-0 Chile (25-10, 25-13, 25-10)
Argentina 3-1 Venezuela (25-18, 25-16, 17-25, 25-18)

Jan 8
Venezuela 3-0 Chile (25-22, 25-13, 25-9)
Peru 3-0 Colômbia (30-28, 25-22, 25-22)

Jan 9
Peru vs. Venezuela (15h)
Argentina vs. Colômbia (18h)

Jan 10
Colômbia vs. Chile (15h)
Argentina vs. Peru (18h)

 

Transmissão ao vivo via YouTube: http://www.voleysur.org/v2/transmision.asp?id=3040&IDcamp=126&IDcamp2=0