Na final da Copa Brasil masculina, a vitória foi do desrespeito

Na final da Copa Brasil masculina, a vitória foi do desrespeito

Eu bem queria estar aqui falando da esplêndida atuação do Lipe ou da ótima marcação montada pelo Funvic/Taubaté sobre João Paulo Tavares. A superação do Brasil Kirin, com quatro jogadores lesionados, também merecia uma menção honrosa, assim como o fato de o Sada Cruzeiro ter mostrado que não é tão imbatível como o começo da temporada nos fazia crer.

Porém, infelizmente, não vai dar.

Não vai dar porque a edição 2015 da Copa Brasil será lembrada como mais um capítulo da humilhação pela qual o vôlei brasileiro está passando. Cerca de 50 dias depois de a final do torneio ser anunciada para 21h30 do dia 24 de janeiro, o público que tentou ver a partida pelo SporTV simplesmente foi privado de acompanhar o primeiro set da decisão.

Mais notícias de vôlei? Melhor do Vôlei!

Feito do Pinheiros na Copa Brasil merecia vaga no Sul-americano

O detalhe é que, a pedido da própria TV, o início do duelo já havia sido adiado para 22 horas, um horário ruim para quem quer ir ao ginásio devido aos problemas de segurança no país e o transporte público deficiente. Ainda assim, valia a pena aceitar a mudança, pois exposição é exposição e os patrocinadores dos times precisam disso.

Pois, às 22 horas, os três canais do SporTV transmitiam UFC, basquete e vôlei de praia. Aos que gostariam de ver vôlei, restou a TV Brasil, mas houve quem não conseguisse sintonizar o canal (meu caso). Essas pessoas só puderam acompanhar o duelo entre Brasil Kirin e Taubaté a partir do segundo set, quando finalmente a TV a cabo começou a passá-lo.

Até o momento, não houve uma explicação oficial, mas não importa qual ela seja: o vôlei foi muito desrespeitado na noite deste sábado (24). Em um evento planejado com antecedência, isso não poderia acontecer nunca.

Mas sabem por que acontece? Porque o próprio vôlei não se dá ao respeito e aceita de orelhas baixas qualquer absurdo que a TV lhe impõe. Só para lembrar, o basquete vai conseguir esta temporada ter uma final em três jogos, algo que os atletas do vôlei pleiteiam há muito tempo, mas sempre ouvem não ser possível porque a TV aberta só tem data para transmitir um jogo.

Voltando à própria Copa Brasil de vôlei, em 2014 o público de São Paulo não pôde ver a programada final entre Sada Cruzeiro e Sesi porque, de última hora, a Globo resolveu transmitir a decisão da Copa São Paulo de futebol júnior, um jogo que tradicionalmente ocorre em 25 de janeiro pela manhã. Custava ter se atentado a isso? Custava ter negociado?

A Globo e o SporTV são, sem dúvida, parceiros importantes do vôlei brasileiro, só que a modalidade não pode se deixar humilhar dessa maneira. Qualidades são inúmeras, mas o vôlei parece ainda estar no estágio em que qualquer migalha é digerida com avidez. Espero que a nova decepção ajude esse cenário a mudar, mas sou bastante cética quanto a isso.

Em tempo: não consegui ver a transmissão da TV Brasil, mas eles estão de parabéns só por ter honrado o compromisso que assumiram. Além disso, o pessoal no Twitter ressaltou vantagens como falar o nome do patrocinador e os bons comentários do Fernandão. Muito legal.

This article has 2 comments

  1. Não há desculpas pois foi um desrespeito com o vôlei e torcedores ainda mais considerando que o grupo Globosat (Globo, Sportv etc) tem um canal exclusivo para lutas: COMBATE. Então foi descaso mesmo com o vôlei e uma pena a CBV insistir nessa parceria. Há vida fora da Globo.

  2. Compartilho do seu ceticismo com relação a uma eventual mudança de cenário nas relações do vôlei brasileiro com as TVs (por isso não fiquei eufórico com o boato de que a Band pode passar a transmitir algumas partidas). Além disso, enquanto os clubes/times não criarem um espaço de decisão independente da CBV para organizar os campeonatos nacionais (principalmente a Superliga e, mais recentemente, a Copa Brasil), como já se sugeriu aqui no blog, os espectadores e o esporte continuarão tendo esses dissabores. P. S. Falando especificamente da competição, acho que o Sada/Cruzeiro começa a dar sinais de desgaste e cansaço (não só físico) após tanto tempo voando acima dos adversários. Um abraço!