Navajas relembra “mico” com Hugo Chávez e desabafa contra Pinda

Navajas relembra “mico” com Hugo Chávez e desabafa contra Pinda
"Se a equipe for bem competitiva, mas muito competitiva, volto a ser técnico. Caso contrário, fico como dirigente mesmo. Não tenho mais paciência com raciocínio lento. No time de Pinda, o raciocínio era muito lento", comentou o sempre sincero Navajas

“Se a equipe for bem competitiva, mas muito competitiva, volto a ser técnico. Caso contrário, fico como dirigente mesmo. Não tenho mais paciência com raciocínio lento. No time de Pinda, o raciocínio era muito lento”, comentou o sempre sincero Navajas

Por ocasião da morte do presidente venezuelano Hugo Chávez, recentemente liguei para Ricardo Navajas. Técnico de muito sucesso com o Suzano nos anos 90, ele certamente seria uma ótima pessoa para falar sobre a relação do político com o vôlei, já que encabeçou o bem sucedido projeto do país em chegar às Olimpíadas de Pequim, em 2008.

O papo foi bastante interessante e, entre outras coisas, Navajas comparou a estrutura montada pelos venezuelanos à época com a da seleção brasileira. Relatou também a enorme disposição de Chávez em ajudar o esporte, mas, sempre sem papas na língua, criticou duramente os dirigentes e os jogadores de lá.

Ele ainda lembrou uma história bastante divertida da classificação venezuelana sobre a Argentina no Pré-Olímpico continental, quando, sem querer, “dispensou” o presidente achando que estava sendo vítima de uma pegadinha. Todas essas histórias da Venezuela você pode ver clicando neste link aqui, que direciona para uma matéria completa publicada por mim no Portal R7.

A conversa, claro, também abrangeu vôlei brasileiro. Na última temporada, Navajas trabalhou como supervisor da Funvic/Pindamonhagaba, time que terminou a fase de classificação da Superliga masculina em último lugar, com apenas três vitórias em 22 jogos. Apesar de os números da campanha terem sido ruins, ele se disse satisfeito com o projeto:

- Para o que foi investido, para o que Pinda tinha de condição, eu acho que foi bem. Foi dentro do previsto: de 10º a 12º. A previsão não era além disto, pois a equipe era muito inferior às outras. Não era pouco, era muito (inferior).

Na visão de Navajas, a cidade poderia ter investido mais na equipe de vôlei:

- Jogar a Superliga é um feito, pois não é tão simples quanto parece, principalmente em Pinda, onde a coisa era bem complicada. A cidade não tem nenhum vínculo esportivo, nenhuma filosofia esportiva, é complicado implantar uma Superliga em uma cidade assim. Filosofia aqui é ganhar os Jogos Abertos, ganhar de São José, uma coisa só regionalizada…

MAIS NOTÍCIAS DE VÔLEI? MELHOR DO VÔLEI!

Encerrada a temporada para eles, a Funvic negocia sua transferência para a vizinha Taubaté. Reuniões com a prefeitura local, inclusive, já foram feitas:

- Taubaté é uma cidade já bem maior, que já teve um time de futebol profissional e algumas experiências com uma equipe de voleibol. Esse time não foi bem porque não cumpriram os acordos, mas agora as coisas estão sendo feitas de uma forma bem mais concreta, com outros parceiros. A ideia é que a equipe seja bem competitiva, que possa brigar pelo playoff.

Suzano, por sua vez, também já mostrou interesse, ainda que de forma não oficial. Na visão de Navajas, se a cidade da Grande São Paulo resolver logo entrar sério na parada para resgatar sua tradição no vôlei, tem boas chances de contar com a parceria com a Funvic:

Sesi e Amil: o negócio é recuperar a confiança para evitar o mais do mesmo

- Em Suzano, uma equipe de voleibol é uma coisa muito rápida e simples de resolver, pois lá já se tem noção de como funciona, foram 40 anos de voleibol lá. Eles têm interesse na Funvic, então é importante que Taubaté resolva da forma mais rápido possível porque se Suzano entrar no circuito, a coisa vai complicar

Questionado se voltaria a trabalhar como treinador, Navajas – como não poderia deixar de ser- outra vez expressou sua conhecida sinceridade:

- Se a equipe for bem competitiva, mas muito competitiva, volto a ser técnico. Caso contrário, fico como dirigente mesmo. Não tenho mais paciência com raciocínio lento. No time de Pinda, o raciocínio era muito lento