Novatas fazem a diferença no “jogo da montanha-russa”

Novatas fazem a diferença no “jogo da montanha-russa”
unilever sollys primeiro turno 450x338

Depois de quase nove meses em enfrentar as maiores rivais, Unilever venceu o Sollys Osasco (Foto: Daniel Ramalho/adorofoto)

Como quase sempre acontece, Unilever e Sollys Osasco fizeram um jogo pra lá de emocionante na noite desta sexta-feira. Não faltou vontade dos dois lados, apesar do excessivo número de erros cometidos pelas atletas (53, sendo 25 das donas da casa e 28 das paulistas), algo explicado pela falta de ritmo provocada pelas festas e folgas de fim de ano. No fim, vitória do time de Bernardinho por 3 sets a 2, parciais de 18/25, 25/21, 25/23 e 14/25 e 15/8.

Vamos então a alguns pontos da partida:

Palavra que resume: Instabilidade. É incrível a montanha russa do vôlei feminino, com altos e baixos mesmo mesmo em partidas com grandes jogadoras em quadra. O próprio placar do duelo do Maracãnazinho mostra isso: exceção feita ao terceiro set, todas as parciais tiveram um time muito melhor que o rival. Ponto negativo extra para Osasco, que conseguiu perder a segunda etapa mesmo tendo aberto 11/6 nos primeiros minutos. Aquele apagão custou o jogo e, consequentemente, a liderança.

Destaques: Havia em quadra jogadoras que já se cansaram de atuar neste clássico, mas curiosamente quem se deu melhor foram três recém-chegadas: a canadense Sarah Pavan e a mineirinha Gabi, pelo lado da Unilever, e Fernanda Garay, no Sollys. Outra que nunca havia atuado na disputa, a experiente Fofão, levou o prêmio de melhor da partida, mas a escolha se deu muito mais pela superação que teve após enfrentar problemas na coxa ao longo da semana do que por ter feito uma excelente atuação – é possível que o mesmo tivesse acontecido com Adenízia se Osasco vencesse, já que a central teve um desempenho bem razoável mesmo voltando de uma fratura na mão.

Melhor em quadra: Sarah Pavan. Ao longo da semana, a canadense irritou a torcida do Osasco ao dizer que não conhecia ninguém do time adversário. A pressão sobre ela aumentou, mas a estrangeira correspondeu e marcou 22 pontos, tendo um ótimo aproveitamento no ataque. Às vezes, é bom não se deixar levar apenas pelos nomes de quem está do outro lado da quadra… Destaque também para o bom entrosamento dela com Fofão.

Em segundo lugar, eu apontaria Gabi, que entrou muito bem no lugar da badalada Logan Tom no começo do segundo set, mostrando regularidade e contribuindo bastante para que a Unilever seguisse respirando na partida. Completando o pódio, Garay, que fez quase um set inteiro em pontos (24) e ainda mandou bem na recepção, apesar de no tie-break ter ficado apagada como as companheiras de time.

Decepção: Logan Tom. Um das contratações mais caras da temporada, a americana apresentou uma queda de rendimento absurda a partir do primeiro tempo técnico a ponto de ser substituída no começo da segunda etapa e não voltar mais para o jogo. Saque, recepção, ataque… nada funcionou para a duas vezes medalhista olímpica. Exigente que só, imagino o quanto ela deve ter ficado irritada com si própria e o quanto vai querer compensar esse mau dia nos próximos jogos.

Técnicos: Bernardinho se deu bem na aposta corajosa de substituir Tom por Gabi no segundo set, ao contrário de Luizomar, que viu Ivna não conseguir fazer mundo ao entrar no lugar da apagada Sheilla. Faltou ainda diminuir a ansiedade de Jaqueline, que teve muitas dificuldades no ataque, além de se fazer ouvir tanto por Fabíola quanto por Karine, que pouco jogaram com as centrais.

Arbitragem: Erros para os dois lados, alguns deles evidentes, mas que acabaram não interferindo no resultado final. Apesar de não ter contado, acho que houve uns cinco lances polêmicos. Realmente o nível dos juízes poderia ser bem melhor, mas se torcida e jornalistas conta com recursos eletrônicos para tirar dúvidas em um esporte de jogadas rápidas, por que não evitar problemas dando este auxílio a eles?

Nos outros jogos: Mesmo sem Herrera, machucada, o surpreendente Praia Clube confirmou o favoritismo diante do Rio do Sul e, com um 3 a 1 no placar, fechou o primeiro turno na vice-liderança, à frente do Osasco. Já o Sesi cumpriu sua obrigação diante do São Caetano, que vê seu vizinho São Bernardo agonizar ainda mais depois de tomar 3 a 0 do Pinheiros. Por fim, o Vôlei Amil segue em uma crescente e, aproveitando-se dos desfalques rivais, conseguiu uma vitória tranquila sobre o Minas em Belo Horizonte.

Abaixo, a caixa de comentários está aberta para você dar a sua opinião sobre o clássico

This article has 6 comments

  1. quem fez a diferença no jogo foram a sara e principalmente a entrada da ponteira gabi, mais grandes defesas da fabi e ótimas levantadas da fofão ajudaram e muito !

  2. Admiro muito a coragem de Fofão com seus 40 e poucos anos voltar as quadras , ela merece esse titulo , até mais que Fernanda Venturini ,que tentou na ultima temporada da SL 2011/2012. Sheila está um pouco fora de ritmo mesmo , ainda mais devido as festas de fim de ano e a folga que todas as atletas tiveram , mais logo logo ela estará de volta com todo o seu Voleibol de qualidade !

  3. GilbertoDuarte da Silva
    sábado 12 janeiro 2013, 11:49 am

    Jogão, com altos e baixos pra os dois lados, mas a canadense Pavan estava muito bem. Fabí fez uma colocada de bola atrás de Shella, de manchete. Sensacional. Gabí tem muita impulsão mas infelizmente é baixa. Valeu!

  4. Eu acredito que a Fabiula teve um rendiento baixo nesse jogo também. Não soube aproveitar a Sheilla nos momentos de dificuldade, usando a Jackeline como as bolas de seguranças nos momentos dificeis. A Sheila não fez um bom Segundo e terceiro set, mas ela estava bem na partida. Com a abertura de 8×2, a Fabiola tinha que ter voltado a efetuar as bolas de fundo com a Sheilla. Voltar a dar segurança para essa bola. Sem os ataques de fundo o jogo ficou muito marcado. Queria ressaltar a defesa do Rio que fez uma excelente partida, liderada pela Fabizinha. A defesa de osasco apareceu bem em alguns momentos, mas apenas quando o sistema Saque/bolqueio funcionou. Acredito que o passe foi o grande divisor de águas. Em um jogo de alto nivel, se não existir o passe o jogo fica muito marcado e o bloqueio aparece. Não acredito que os erros tenham sido definitivos. Os dois times erraram muito. O Osasco errou quando mudaram a tatica de sacar na nathalia e resolveram sacar na Gabi, que fez uma excelente partida e deu estabilidade pro passe do Rio. Coisa que não aconteceu no Primeiro Set e o Osasco venceu com facilidade.

  5. Um jogo sem dúvia emocionante, isso mostra porque esses dois times sao os melhores da superliga. Essa Canadense Sara Pavan que eu nao conhecia, mostrou a que veio, uma canhota poderosísima que fez a diferença nesse jogo, apesar do time do Osasco ter praticamente a base da seleçao Brasileira, nao conseguiu ofuscar uma jogadora que entrou para arrasar, a Gabi que entrou no lugar de Logan Ton.. Esse ano o diferencial desses dois times está no banco de reserva, e o rio de janeiro tem uma vantagem, um banco luxuoso com Regiane , Gabi, Bruna e Roberta….Agora é esperar o entrosamento dessa equipe e vamos ver no que vai dar..

  6. Faltou passe para Osasco, Fabiola teve dificuldade em acertar as bolas das atacantes mesmo quando o passe foi na mão. O Unillever me pareceu mais preparado taticamente para o jogo e sua defesa funcionou bem com mérito para o saque que estragou a linha de passe do Sollys. A mudança de tática de saque do Sollys da Natalia para a Gabi foi um erro assim como as inversões do Luizomar.