O primeiro grande teste de Jaqueline está chegando

O primeiro grande teste de Jaqueline está chegando

Há pouco menos de um mês, o técnico José Roberto Guimarães aproveitou a coletiva de imprensa onde o Vôlei Amil anunciava seus planos sobre a próxima temporada (sabíamos de nada, inocentes!) para também divulgar uma novidade: mesmo estando há quase um ano sem jogar, Jaqueline seria convocada para a seleção brasileira.

Mais notícias de vôlei? Melhor do Vôlei!

Cuba vai ao Mundial feminino. Raro momento feliz de um vôlei decadente

“Ela já ajudou muito a seleção e agora é hora da seleção ajudá-la”, justificou o treinador. Alguns fatos embasavam esse argumento: poucas semanas após o parto, a atleta estava em plena forma, sem os 12 kg que ganhou na gestação; além disto, a Superliga encerrada foi um festival de erros no passe, fundamento que é o ponto forte da ponteira. Por fim, ela passava por um momento psicológico difícil, onde até cogitou abandonar a carreira devido às mudanças no ranking.

Com direito a levar o pequeno Arthur para Saquarema, Jaqueline hoje estampa um sorriso no rosto. Zé Roberto, por sua vez, também parece satisfeito com a “transformação” da jogadora, conforme podemos ver no vídeo abaixo:

Mas está chegando o primeiro grande teste: no próximo dia 27, a seleção estreia em 2014 no Montreux Volley Masters, na Suíça, e Jaqueline está entre as inscritas. Finalmente poderemos ver ela está ou não no caminho certo para voltar a ser o que foi antes, inclusive tendo que lidar com a distância do filho pela primeira vez.

Sem mudanças, especialista em marketing teme pelo futuro do vôlei

Por tudo o que já fez na carreira, Jaqueline merece esta chance. O privilégio, porém, precisa ter estes torneios como limite, afinal em setembro começa o Campeonato Mundial na Itália e não dá para contar com uma jogadora que vive apenas de passado na busca pelo inédito ouro. Para tentar dar ritmo a ela, eu colocaria a ponteira até mesmo para jogar uma possível fase final de Grand Prix. Mas é isto: rendeu, entra, não rendeu, volta pro Brasil.

Acredito na capacidade de Jaqueline e acho que ela tem tudo para estar no Mundial, mas tenho algumas dúvidas sobre como ela vai lidar com a ausência de Arthur. E você, o que prevê para a jogadora este ano?