Os pontos positivos e negativos das transmissões online da Superliga

Os pontos positivos e negativos das transmissões online da Superliga
Claudinha, do Minas, durante tie-break do duelo em casa contra o Sesi

Claudinha, do Minas, durante tie-break do duelo em casa contra o Sesi

Iniciadas no último dia 1º de dezembro, as transmissões onlines da Superliga de vôlei são um enorme ganho para o esporte brasileiro. Eu diria até que é uma iniciativa revolucionária, afinal não conheço nada semelhante no Brasil. Em termos internacionais, existe a NBA.tv, que é algo assombroso de bom e precisa servir de inspiração para os nossos dirigentes.

Mas vamos com calma: o projeto acabou de começar e estamos falando de um esporte que movimenta muito menos dinheiro que os americanos no basquete. Quer um exemplo? Considerada a jogadora mais bem paga do mundo, Gamova, do Dínamo Kazan, ganha US$ 800 mil, pouco abaixo do 30º novato escolhido este ano na NBA, conforme vocês podem conferir nesta tabela. Além disto, lá você precisa pagar para ter acesso a este serviço

Dentro de nossas limitações, portanto, vamos fazer uma análise das transmissões dos jogos pelo site da CBV. Abaixo, os pontos positivos e negativos:

Merece palmas:

+ A transmissão em si, possibilitando que a gente possa acompanhar jogos que, antes, só indo ao ginásio mesmo, visto que os clubes eram impedidos de colocar suas próprias webcams para mostrar as imagens aos fãs. Havia ainda a alternativa de acompanhar o ponto a ponto através de um placarzinho no site da Superliga, só que não dá nem para comparar. As imagens podem não ser em HD, mas possuem uma qualidade bastante razoável, ainda mais considerando-se que o serviço é gratuito para o público.

+ Quase não trava. Não sei o que fizeram, mas foram pouquíssimas as vezes que eu tive problemas com a sequência de transmissão. Dá para acompanhar o jogo numa boa, sem aquela chatice de, bem na hora do ataque, a imagem congelar, algo que, ao menos para mim, acontecia bastante nas transmissões que a FIVB tentou fazer do Mundial de clubes.

+ Narração. A CBV poderia ter optado por uma alternativa mais barata e fácil, simplesmente colocando uma câmera perto da quadra, alguém cuidando dela, da transmissão e pronto. Porém, eles optaram por fazer a coisa direito. Todas as partidas possuem narração, o que evita a monotonia e facilita o interesse de pessoas que não acompanham muito o vôlei. Apesar de algumas gafes terem ocorrido no começo, as narrações estão melhorando gradativamente.

+ Opções para Android, iPhone, iPad e BlackBerry. Em um mundo onde o acesso à Internet acontece cada vez mais através de plataformas móveis, nada mais esperto que habilitar as transmissões para celular e tablets. Se você possui um destes equipamentos, pode continuar acompanhando o jogo com facilidade mesmo que precise sair de casa.

Precisa de atenção:

+ Áudio aberto antes. Em algumas partidas, a transmissão começa minutos antes da partida, mostrando o aquecimento dos jogadores, a chegada da torcida, etc. O problema é que estes momentos ainda não possuem narração, mas o áudio fica aberto mesmo assim, o que possibilita os espectadores ouvir coisas como alguém do Volta Redonda comentando com um amigo antes do jogo contra o Sada: “Nunca precisei pagar para pegar mulher, não”

+ Falta de estatística. Uma das coisas mais legais da NBA.tv é que você pode conferindo na hora os números da partida e dos jogadores. Aqui, ainda não temos isso: só sabemos quem é o maior pontuador da partida, por exemplo, quando o narrador fala. E nem é uma coisa tão difícil assim: a FIVB possui um bom sistema de “ponto a ponto” que, se imitado na Superliga, já dava para quebrar o galho.

+ O principal jogo da rodada não passa. Nesta sexta (7), só pôde acompanhar o excelente confronto entre a Unilever e o Praia Clube quem tinha acesso a TV a cabo porque o acordo fechado entre a CBV e suas parceiras prevê que apenas podem ser transmitidos online os jogos que não forem escolhidos para a grade do SporTV. É um pouco de medo dos caras em perder audiência (na minha opinião, injustificável), mas algo a se pensar em começar a fazer nas próximas temporadas.

+ Delay. Basta acompanhar o ponto a ponto que a CBV faz pelo Twitter para notar o atraso médio de seis pontos da transmissão online com relação ao momento que o fato aconteceu. Trata-se de um problema das transmissões via Internet em geral, que eu espero que possa ser solucionado ao longo dos próximos anos.

E você? Também queremos a sua opinião. Abaixo, está aberto o espaço para você comentar o que gostou e o que não gostou na grande novidade da Superliga este ano

This article has 2 comments

  1. MARIA ANGELA ZIMARO
    sábado 8 dezembro 2012, 2:55 pm

    fiquei muito triste por não assistir o jogo do Super Imperatriz Volei, pois não abria somente este jogo, abriu, do RJX edo Medley, só dava stream not found, queria ver meu filho BOB jogar

  2. Uma pena que vc não tenha conseguido esse dia, Maria Angela. Espero que tenha conseguido nos seguintes! Abs e parabéns pelo filho