Para adequar o vôlei à TV, Bernardinho pede limitação de tempo entre os pontos

Para adequar o vôlei à TV, Bernardinho pede limitação de tempo entre os pontos
Para Bernardinho, "15 segundos são mais que suficientes para cortar e executar o saque seguinte" (Foto: Divulgação/CBV)

Para Bernardinho, “15 segundos são mais que suficientes para cortar e executar o saque seguinte” (Foto: Divulgação/CBV)

De olho em um maior espaço na TV, os dirigentes de vôlei vêm discutindo nos últimos meses algumas possibilidades para encurtar o tempo de jogo. A principal delas é a diminuição dos sets de 25 para 21 pontos, mas o técnico Bernardinho apoia outra solução para a questão: a limitação em 15 segundos do tempo entre o fim de uma jogada e o saque que inicia o lance seguinte.

- Seria ok mudar a pontuação, pois já fomos de 15 para 25, mas eu faria uma experiência de limitar o tempo entre os ralis. Há uma demora muito grande entre o fim de uma ação e a execução do saque da ação seguinte. Se nós estipularmos 25 segundos como limite, onde eventualmente o juiz dê uma interrupção a mais em função de alguém ter caído e molhado a quadra, certamente haverá uma redução de tempo significativa em um jogo de cinco sets.

Mais notícias de vôlei? Melhor do Vôlei

Com problemas físicos, restou a Zé Roberto testar plano B no Nordeste

De volta ao Brasil, maior pontuadora da história da Superliga descarta seleção: “Deus me livre!”

Na opinião do comandante da seleção brasileira masculina e da Unilever, atual campeã da Superliga feminina, exageros dos jogadores estão alongando demais as partidas:

- Está havendo excesso de comemoração e às vezes de reclamação com os árbitros, o que é prejudicial. Antes de mudarmos a dinâmica do jogo, temos que tentar cortar os excessos. É isso que o jornalista vai fazer a edição do jogo, é isso o que ele vai cortar… claro que uma comemoração é bacana, mas 15 segundos são mais que suficientes para cortar e executar o saque seguinte

Durante algumas partidas do Brasil na Liga Mundial 2013 e torneios amistosos da seleção feminina este ano, marcamos com um cronômetro o tempo que o jogo fica parado após a finalização de um ponto. Com pequenas variações para mais ou para menos, a interrupção fica em torno de 20 segundos, mas atletas que possuem uma espécie de ritual antes do saque, como o central Lucão, podem chegar até 25 segundos de demora. Ou seja, tal mudança obrigaria os jogadores a uma grande adaptação.

Atualmente presidida por um brasileiro, Ary Graça, a FIVB (Federação Internacional de Vôlei) já estuda a limitação em 15 segundos do tempo para um jogador executar o saque. No momento, porém, a mudança com maior probabilidade de entrar em vigor logo são os sets de 21 pontos: de acordo com o técnico da seleção feminina, José Roberto Guimarães, a próxima edição da Superliga tem boas possibilidades de ser jogada desta forma.

(Matéria originalmente publicada no Portal R7. Clique aqui para ler o original)
—————————————————————-
Você acha que a regra dos 15 segundos vai ajudar a diminuir o tempo das partidas? Na sua opinião, os jogadores conseguirão se adaptar?

This article has 4 comments

  1. Claro que não! O próprio Bernardinho é um dos que estimulam o retardamento de uma partida, assim como faz a maioria dos técnicos, que, por exemplo, esperam o máximo possível até mandar os auxiliares acionarem a arbitragem para pedir tempo. Quer tempo? Então peça-o imediatamente após o fim de uma jogada.

    Sempre vão inventar uma maneira de cadenciar o andamento das partidas, seja pedindo que se enxugue a quadra, seja fingindo que a lente de contato que não existe caiu, como já fez o Giba.

    A coisa só vai ser satisfatória para a televisão quando estipularem um tempo para cada set, tipo cada um deles ter 25 minutos, e quem estiver na frente ao término dele vence.

  2. Olha Carol, para mim, cinco segundo a mais ou a menos nessas situações acho que pouco muda. Eu lembro que há uns 10 anos atrás, um set de 25 minutos durava 25 minutos, ou um pouquinho mais. Hoje, com a melhora dos sistemas de defesa e com maior equilíbrio entre as equipes, mesmo sendo uma mais fraca contra uma mais forte, os sets, no tempo corrido, dificilmente ficam com menos de 30 minutos.

    Quanto a regra da pontuação, acho que vai rolar sim, pois já tem time aí fazendo amistosos usando essa regra. E nesse quesito, eu acho a ideia não tão absurda, pois são quatro pontos a menos. Claro que para quem está acostumado com um sistema já há quase 20 anos, sente diferença, mas é algo que o esporte precisa fazer, se ele quer seu espaço cativo na TV.

  3. “Adequar o Vôlei a TV”… Não gosto muito disso na verdade.
    Isso me parece “deixar a tv manipular e comandar o esporte”,
    como a globo faz com o futebol no Brasil.
    Primeiramente acho que os horários que a poderosa Globo impõe para a transmissão dos jogos de vôlei uma aberração. Jogos de manhã sinceramente nunca meu deixam muito animada. O pior pode ser visto na fase de classificação a Liga Mundial em São Paulo, que por causa da globo os jogos tiveram q ser na sexta e sábado de manhã, as 10h00, pois no domingo a globo não poderia transmitir o jogo nesse horário horrível , então tiveram que migrar o jogo para uma sexta de manhã. Agora me diz, quem amante de vôlei que trabalha e estuda tem a sexta de manhã livre para ir no jogo que não dá pra perder????

    Só estou compartilhando uma opinião. Acho que set de 21 pontos não fazem bem para o esporte e que a tv podia fazer um esforço maior em aceitar a diferença do vôlei que é um esporte definido por pontos e não por tempo.

  4. Perfeito comentário Thamyres!

    Quer dizer então que seremos a única liga no mundo com esse formato de 21 pontos?!
    Entender que o vôlei aqui nunca terá espaço no horário nobre da tv aberta.
    Eu mesmo, só tenho tv por assinatura porque sou um amante do vôle e não me contento em assistir apenas 2 semi-finais e a final da SuperLiga feminina e masculina, assistir os jogos da fase classificatória da Liga Mundial jogados no Brasil (e depois cade a fase final?) e no Grand Prix assistir só os jogos que convém a grade.

    Quando era mais jovem, 15 anos eu acho, lembro de um ultimo jogo entre Brasil x China no Grand Prix que seria de madrugada, fiquei esperando em vão. Porque na hora do jogo ao invés do jogo a Globo exibiu Telecurso. Chorei de raiva nesse dia.

    21 pontos não tornará mais atrativo o vôlei para tv aberta, pois os espaços sedidos serão sempre os mesmo. Manhãs, madrugadas ou tarde no meio da semana.

    21 só encurta nosso prazer dos amantes do vôlei.