Próxima Superliga de vôlei pode ter sets de 21 pontos para ajudar TV

Próxima Superliga de vôlei pode ter sets de 21 pontos para ajudar TV
Técnico da seleção feminina, Zé Roberto aprova sets menores no vôlei (Felipe Christ/Vôlei Amil)

Técnico da seleção feminina, Zé Roberto aprova sets menores no vôlei (Felipe Christ/Vôlei Amil)


(matéria publicada originalmente no Portal R7
. Clique aqui para ver o link)

A imprevisibilidade de um jogo de vôlei, que pode durar uma ou quatro horas, é um problema histórico da modalidade nas negociações de transmissão na TV. Sem saber exatamente quanto tempo reservar à grade de programação, as emissoras costumam relutar em passar jogos por conta de compromissos comerciais já estabelecidos.

Pensando em diminuir o tempo de partida e assim ganhar mais espaço, o esporte vem promovendo algumas mudanças drásticas ao longo dos últimos anos. Depois de acabar com a vantagem no ano 2000, uma nova alteração de peso está em discussão: sets menores, de 21 pontos, quatro a menos que os atuais 25.

Mais notícias de vôlei? Melhor do Vôlei!

O novo sistema de pontos começou a ser testado na última quinta (13), durante a Liga Europeia de seleções, mas, segundo o técnico da seleção feminina José Roberto Guimarães, pode entrar em vigor já na próxima Superliga de vôlei, programada para começar em setembro:

- Em uma das reuniões que tivemos (técnicos, jogadores, dirigentes e CBV), se falou sobre isso, que possivelmente seria testado e talvez já fosse adotado na próxima Superliga.

Na “estreia” da mudança, a Eslováquia demorou apenas 58 minutos para bater a Dinamarca com parciais de 21-15, 21-19 e 21-16, um tempo baixo em relação a partidas encerradas em três sets no sistema tradicional. Para efeito de comparação, nas Olimpíadas de Londres, a seleção masculina do Brasil demorou 1h15 para fazer 25-17, 25-21 e 25-18 na frágil Tunísia.

Tricampeão mundial e três vezes medalhista olímpico com a seleção brasileira, o meio-de-rede Rodrigão gostou da ideia:

- Além do aspecto competitivo, o esporte é também um grande produto. Vendo por esse lado, não podemos mais ignorar que os jogos devem se tornar mais atrativos para as TVs. Por isso, é importante que o vôlei procure se adaptar para proporcionar a realização de partidas que não ultrapassem duas horas de duração. Essa experiência dos sets de 21 pontos é válida e, se a avaliação for favorável, pode ser adotada como regra definitiva da modalidade

Estrelas sonham com descanso, mas Zé Roberto quer seleção completa ainda em 2013

O Vôlei Amil vai acabar com a supremacia de Sollys e Unilever?

Zé Roberto também é simpatizante:

- É fato: o vôlei no Brasil cresceu porque a TV ajudou muito. Eu não vejo problemas nessas mudanças e a gente vai chegando em uma coisa boa para todo mundo.

Além dos sets menores, outra alteração está sendo testada na Liga Europeia: o máximo de três paradas por set (uma para cada técnico e no 12º ponto). Também está em pauta o limite de 15 segundos para o jogador sacar e a introdução do cartão vermelho, que tira um ponto do time do jogador que o tomou, deixando o amarelo, que atualmente exerce essa função, valendo apenas como advertência.

This article has 4 comments

  1. Quem perde é o voleibol! Apenas o voleibol…. Infelizmente a TV anda mandando no esporte e os atletas e dirigentes acham isso lucrativo, mas e o esporte? Ganha em qualidade????? Antigamente quem jogava era craque, pois não era permitido o dois toques, a defesa também não era esse oba-oba, no saque a bola não poderia jamais tocar na rede e a condução não era dada em nenhum toque de bola. Sem falar que não havia líbero e todo mundo tinha que defender tão bem quanto os outros em quadra. Quem ganha é só a TV e pouquíssimos atletas da elite brasileira. Nas categorias de base, muitos atletas deixam de treinar porque não conseguem arcar nem com o custo do transporte, muitos clubes não dão todo o suporte médico e menos ainda alimentação.

  2. Interessante que o basquete que dura bem mais tempo não tem esse problema, o problema é querer ser refém da Globo, isso sim é atrasar o esporte.

  3. Um ponto leva em média 1 a 2 minutos. O que é demorado são os tempo técnicos, TV, a execução do saque e o trabalho de enxugar a quadra. se mudassem isso já reduziria bastante.

  4. Nem assim, reduzindo o tamanho dos sets, a duração de uma partida de vôlei será previsível.

    Para se adequar de fato a grade da TV, o vôlei teria que ter tempo definido, como o basquete e o futebol. Seria no mínimo curioso ver uma partida de dois tempos de 45 minutos, como no futebol, ou de quatro tempos de 10 minutos, como no basquete.