Thaisa diz não se preocupar com mudança de clube: “Meu foco é Olimpíada”

Thaisa diz não se preocupar com mudança de clube: “Meu foco é Olimpíada”

Crise econômica, diminuição no orçamento dos clubes, ranqueamento que limita as opções no mercado nacional… Tais fatores são suficientes para deixar qualquer jogadora de vôlei brasileira preocupada com relação ao futuro, mas não Thaisa. Recém-saída do Vôlei Nestlé, onde jogava desde 2008, a central da seleção diz estar analisando propostas sem pressa de tomar alguma decisão.

“O que eu tiver que decidir, será feito tranquilamente. Minha família está do meu lado e o que tiver que ser, será. Não estou nem um pouco preocupada com isso agora, meu foco é Olimpíada”, comentou a atleta, que diz não ter preferência entre continuar jogando no Brasil ou ir para o exterior. “Não tenho essa coisa de ‘Ai, meu Deus, preciso ir embora porque quero conhecer o mundo’. Meu objetivo é o voleibol. Se o melhor pra mim for ir pra fora, vou fazer. Se aqui no Brasil tiver um bom time pra jogar e continuar evoluindo, é isso o que vou buscar”, destacou.

Mais notícias de vôlei? Melhor do Vôlei!

Volta das mangas no uniforme da seleção masculina foi a pedido dos jogadores

Especulada especialmente em equipes da Turquia, Thaísa não quis falar muito sobre o assunto, limitando-se a dizer que tem pessoas filtrando as melhores propostas para que ela escolha a que mais lhe agradar. Mesmo com a decisão tendo que ser preferenciamente tomada até maio por questões de mercado, ela diz que isso não afeta seus treinos com a seleção brasileira em Saquarema.

“A vida de jogadora é assim, é natural, tem jogadoras que todo ano mudam de clube. No meu caso, fiz isso com menos frequência, mas vida que segue”, garantiu.

Falando em seleção, Thaísa comemora o fato de estar de volta ao time nacional, já que em 2015 ela não treinou sob o comando do técnico José Roberto Guimarães por conta de uma cirurgia nos dois joelhos. “Estava com muita saudade. Depois de nove anos é a primeira vez que eu fiquei de novo com aquele frio na barriga de estar me reapresentando”, brincou a atleta.

Como a intervenção tem apenas nove meses, a jogadora ainda é obrigada a tomar alguns cuidados para não sobrecarregar os joelhos. Apesar disso, ela diz estar no caminho certo da preparação que visa o Rio-2016.

“Aqui o treinamento é sempre muito puxado, intenso. As centrais estão treinando todos os dias desde as 7h da manhã na areia pra ganhar agilidade e velocidade de deslocamento. Logo a gente começa a saltar e fazer treinamento com os meninos, que estarão aqui para atacar e bloquear a gente. Isso é bem legal. Estamos evoluindo cada vez mais, cada um no seu limite, mas está todo mundo bem focado”, comentou.

* A repórter Carolina Canossa viajou a Saquarema a convite da Olympikus

(Foto: Alexandre Arruda/CBV)