Um título aos trancos e barrancos, mas um título

Um título aos trancos e barrancos, mas um título

Quando a Itália empatou em 2 a 2 a partida contra o Brasil pela última rodada da Copa dos Campeões, duvido que algum torcedor verde-amarelo não tenha sentido o temor de ver um título quase garantido escapar. Jogando muito melhor naquele momento e liderados liderados pelo estiloso Zaytsev, os europeus estavam muito dispostos a estragar a festa dos rivais, abrindo caminho para mais uma conquista dos campeões olímpicos russos na temporada 2013.

Foi aí que o time de Bernardinho ressurgiu das cinzas. O bloqueio, quase sumido nos dois sets anteriores, voltou a aparecer e em pouco tempo o placar já apontava 7 a 2 para os brasileiros. A enorme diferença, porém, logo se desintegrou e os italianos chegaram ao 8 a 9, obrigando Bernardinho a parar o jogo. Não sei o que o técnico falou ali, mas o fato é que a equipe que comanda retomou o foco e, com um ataque do central Lucão, conquistou seu primeiro grande título do novo ciclo olímpico.

Mais notícias de vôlei? Melhor do Vôlei

Um 2013 (numericamente) perfeito para a seleção feminina

O sentimento de alívio estava claro na expressão de jogadores e comissão técnica, todos certamente cientes da enorme quantidade de críticas que cairia sobre eles em caso de um vice-campeonato após duas viradas nas últimas duas partidas do torneio. Graças ao poder de reação no set final, o que se viu foram pulos e sorrisos.

É altamente improvável que esta geração alcance um nível de excelência atingido por Giba, Gustavo, Ricardinho, Serginho, etc. Faz parte, grandes times não surgem toda hora e estamos sentido uma falta gigante de ponteiros passadores mais seguros. Lucarelli é exceção e Murilo pode dar um enorme contribuição neste aspecto quando estiver recuperado, seja dentro ou fora das quadras. Apesar de Éder e Lipe terem entrado bem contra a Itália, o banco ainda não consegue substituir os titulares no mesmo nível. O excesso de altos e baixos de todo mundo ao longo de uma partida também incomodam muito, mas o importante é que, mesmo lidando com tudo isso, o time ainda conseguiu um título enfrentando todos os seus maiores adversários.

Bernardinho vai ter muito trabalho nos próximos anos e sabe disso. Ao menos nos próximos dias, no entanto, pode relaxar um pouco e ter a sensação de dever cumprido. Que a Copa dos Campeões sirva como um marco para os brasileiros jogarem com um pouco mais de confiança daqui para frente.

This article has 2 comments

  1. Foi duro! Bernardo tá tirando leite de pedra desses ponteiros. Tudo começa no passe. Sem ele, ficamos dependentes quase que exclusivamente do Wallace, já que Lucarelli, embora seja muito bom, ainda tem seus altos e baixos. Eu prefiro nem comentar mais sobre o segundo ponteiro.

    Agora é horar para que Murilo volte bem da cirurgia e possa assumir o fundo de quadra com o Mário Júnior. O Bernardo tem que buscar novas alternativas. Lipe, Thiago Alves e Maurício não são exatamente 3 novidades. Inédito é um deles assumir a posição num torneio, e isso finalmente a gente viu.

    Lamento que o oposto Renan, que não foi convocado, tenha ido para o SESI bancar. Esse torneio teria sido bom para ele. Esse menino tem que jogar.

  2. Chegaram ao título enfrentando seus grandes adversários e isso é muito importante ressaltar.
    Somando-se Sérvia, Polônia e Cuba (que vai ter a volta dos jogadores “exportados”) são as grandes seleções que juntas a Brasil, Itália, Estados e Rússia, são favoritas a Mundial e Olimpíadas.

    Quanto ao Brasil acho que temos uma boa base, mas nosso grande problema é ponteiro. Luacrelli é bom e com o passar do tempo, sem contusões, será um ótimo jogador. Pois já brilha atualmente.

    Maurício é sofrível no ataque. Até passa direitinho mas é muito apagado. Lhe falta brilho.
    Thiago Alves outro café com leite.

    Prefiro Lipe com sangue nos olhos… Saca bem e ataca bem.

    Mas precisamos de outras opções. Será que é muito difícil treinar um oposto para ponteiro? Pois Evandro seria uma ótima opção.

    Eder mostrou seu valor a substituir Sidão num momento em que ele estava mal no ataque.

    Bruninho apesar de não ter minha simpatia, ser muito “caricato” e errar muitos levantamentos pra ponta… é um bom levantador e deve seguir titular até por falta de espaço.

    Até a Liga Mundial para os meninos…
    E até o Grand Prix para as garotas!
    Orgulhos do país! ;)