Vitória no Grand Prix deixa Brasil ainda mais favorito ao Mundial

Vitória no Grand Prix deixa Brasil ainda mais favorito ao Mundial

De forma respeitável e se valendo de todos os itens apontados nesta lista que fizemos aqui na semana passada, a seleção brasileira feminina de vôlei conquistou neste domingo (24), em Tóquio, o décimo título do Grand Prix. Enfrentando o Japão com a necessidade de uma vitória por 3 a 0 ou 3 a 1, o time de José Roberto Guimarães jogou tão solto que parecia até que as donas da casa é quem tinham a obrigação destes placares.

É bem verdade que times como a China e a Rússia não jogaram com força máxima neste GP, mas não dá para negar: esta nova conquista reforça ainda mais o favoritismo verde-amarelo para o Mundial da Itália, que começa em 23 de setembro. Por mais que Jaqueline diga que não, é fato que a nossa seleção está um passinho à frente das rivais, seja porque se apresenta com mais regularidade ou porque conta com um time equilibrado, experiente e em boa fase.

Mais notícias de vôlei? Melhor do Vôlei!

Saque venenoso da Turquia derruba Brasil, mas favoritismo persiste

A Era Bernardinho: o suor que virou ouro

Sheilla, que começou a temporada de seleções sofrendo com uma lesão nas costas, mostrou que está pegando ritmo de jogo novamente e foi eleita a melhor em quadra contra o Japão. Jaqueline, por sua vez, voltou ao vôlei melhor do que ela mesma imaginava, ao passo que Camila Brait não parece estar sentindo o peso da responsabilidade de substituir um mito como Fabi.

No meio-de-rede, Fabiana e Thaisa fazem, disparado, a melhor dupla do mundo na posição. Já Dani Lins continua o processo de evolução que faz parte da trajetória de qualquer grande levantadora. Por fim, Fe Garay é uma jogadora com a qual qualquer técnico gostaria de jogar. No banco, Gabi, Carol, Adenízia e Tandara se mostraram prontas para substituir à altura as titulares de suas respectivas posições.

Depois de um período de merecido descanso, as brasileiras voltarão aos treinos visando o Mundial. Alguns pontos que precisam ser trabalhados são a qualidade do passe, que teve uma queda na fase final, e a variação das jogadas de ataque, pois os vídeos do Grand Prix serão muito estudados pelos adversários. Dar ainda mais confiança para as reservas também seria bom. Afinal, não custa lembrar que nunca o campeão do GP faturou o Mundial na mesma temporada…

Vote! Quem foi a melhor jogadora brasileira no Grand Prix?

This article has 1 comment

  1. Fiquei contente com a notória evolução de Dani Lins, a regularidade de Jaqueline a segurança transmitida pelo meio-de-rede da equipe (como você disse bem, a melhor dupla de centrais do mundo hoje). Mas foi bom também ver que Sheila tem uma reserva confiável; Tandara tá voando. E concordo que o passe não está tão eficiente, sobretudo quando Fernanda Garay o executa (algo que sempre acompanhou a jogadora). Um abraço.