William diz se sentir um garoto às vésperas de sua primeira Liga Mundial

William diz se sentir um garoto às vésperas de sua primeira Liga Mundial
William chegou a ser inscrito na Liga Mundial 2012, mas não foi aproveitado (Foto: Divulgação/CBV)

William chegou a ser inscrito na Liga Mundial 2012, mas não foi aproveitado (Foto: Divulgação/CBV)

A vontade de muitos torcedores finalmente tomará forma em quadra. Salvo alguma lesão de última hora, o levantador William disputará sua primeira Liga Mundial a partir de 7 de junho, quando o Brasil estreia fora de casa contra a Polônia. E, mesmo com toda a experiência que possui em seu currículo, o jogador do Sada Cruzeiro se diz tão empolgado quanto um juvenil com a oportunidade:

- Estou pronto para esse novo desafio na minha carreira, apesar dos 33 anos, pareço um garoto. Sinto que estou ajudando os mais novos que chegaram esse ano à seleção principal, para muitos deles a primeira competição internacional, vejo que com a experiência de tantos anos de vôlei consigo ajudá-los. Isso é muito bacana, essa troca de experiências

Mais notícias de vôlei? Melhor do Vôlei!

Após pressão de jogadores, CBV cede e vôlei brasileiro terá mudanças na próxima temporada

E, já que demorou tanto para ter uma oportunidade real na seleção, “El Mago” pretende não sair de lá tão cedo:

- Todo mundo quer estar aqui e me sinto privilegiado por fazer parte deste grupo, é um objetivo conquistado após tantos anos dedicados ao vôlei. Porém não quero estar aqui só de passagem, quero ganhar títulos com a seleção, quero também poder fazer história junto com eles

William e os demais jogadores da seleção masculina embarcaram na tarde desta quarta (29) para a Rússia, onde disputarão dois amistosos na sexta (31) e no sábado (1) contra os donos da casa, que também são os atuais campeões olímpicos.

Neste início de ciclo visando o Rio 2016, o time verde-amarelo é composto pelos levantadores Bruno e William Arjona; os opostos Leandro Vissotto, Wallace e Renan; os centrais Lucão, Eder, Maurício Souza e Isac; os ponteiros Dante, Thiago Alves, Lipe, Maurício Borges e Lucarelli, e os líberos Mário Jr. e Alan.

Como William vai se sair na seleção brasileira? Vote!

This article has 4 comments

  1. Ele vai ser o novo Marlon. Vai nadar, nadar e morrer na praia. Eu torço por ele e também gosto do Bruno, mas o Bernardo precisa entender que é um ciclo novo e deveria dar a oportunidade para quem ainda não a teve. Na cabeça dele, pelo fato do Bruno ter terminado de modo bem convincente a fase final do ciclo passado, tem o direito de continuar.

    É o primeiro ano do ciclo e, pelo menos agora, é a oportunidade ideal pra se arriscar no Willian e no Rapha, que infelizmente se machucou. A gente já sabe do que o Bruno é capaz, e por isso este deveria ser preservado para uma disputa a partir do ano que vem, caso o Rapha não estivesse lesionado e o Sandro não estivesse feito uma temporada abaixo do seu grande potencial.

    Mas mesmo se esses estivessem aptos, certamente “bancariam” pro Bruno.

  2. Respondendo ao Perilico…concordo sobre o “novo ciclo”…mas o novo ciclo com levantadores acima dos 33 anos para mim nao da ..Bruno nao é apeans capaz…ele tambem é ainda jovem. Ele é o unico pra apostar. Fato.

  3. Ponha-se no lugar do atleta de 33 anos. Ele luta a carreira toda pelo reconhecimento e quando o mesmo chega você vai dizer que ele é muito bom, mas tá velho? A idade parece ser muita, mas é o auge físico e técnico do Wiliam, e a gente sabe que é uma fase boa para levantadores.

    Ele vem jogando o fino da bola há algum tempo e o Bernardo preferiu chamar em cima da hora alguém que sequer fez parte do ciclo de Londres. Ricardinho esteve abaixo fisicamente na olimpíada por puro desleixo. Voltou para o Brasil magro e engordou.

    Ser atleta da seleção não pode ser um cargo vitalício, logo so porque o Bruno tem idade para mais duas olimpíadas não significa que mereça estar lá. Já disse que nada tenho contra ele. É bom no que faz, mas demorou pra desencantar na seleção.

    A minha mágoa é com a falta de oportunidade dada aos outros, que é algo recorrente no voleibol. A renovação é sempre mínima de um ciclo pro outro. Sempre fica alguém pra figurar apenas pelo nome, com o argumento de que é pra passar experiência. Seria mais fácil integrar essa pessoa à comissão técnica ao invés de ficar ocupando vaga, como foi o caso do Giba e do Rodrigão.

  4. Desculpa Periico…mas Bruno nao demorou nada pra desencantar na selecao. Ele sempre foi decisivo mesmo sendo muito jovem, só não vê isso quem não quer! Ele tem 26 anos e hoje é o melhor levantador do Brasil e merece muito estar onde esta .